O ataque a Berta Zúñiga Cáceres, conhecida Bertita, de 26 anos, foi desferido por um grupo de homens armados de facões, no último sábado (1º de julho), em La Paz, em Honduras. A filha de Berta Cáceres acabara de ser eleita líder do Copinh (Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras), que foi dirigido por sua mãe [Berta Cáceres], assassinada em casa, em março de 2016. Foi atacado, também, José Asunción Martínez, ativista do Copinh.

A mãe de Betita tinha 45 anos e lutava, com seus companheiros de Copinh, contra o projeto Agua Zarca de construção de uma hidrelétrica no Rio Gualcarque, sagrado para os indígenas da etnia lenca, a qual pertence à família Cáceres.

A jovem líder do Copinh participara, na semana passada, de uma manifestação em apoio à legislação estadunidense que determina a suspensão de todo apoio militar dos Estados Unidos a Honduras.

Conforme noticiado pela agência Democracy Now!, Bertita disse à Rádio Lenca o que pensa sobre a legislação estadunidense: "Concretamente, a lei ordenada a suspensão de toda ajuda militar dos EUA a Honduras, até que o caso do assassinato de Berta Cáceres seja resolvido de maneira efetiva. Mas não só este caso, como também outros, como os da região do Bajo Aguán e os casos de ambientalistas hondurenhos e hondurenhas que foram mortos na defesa da vida neste país".

Em entrevista à anistia internacional, em 2016, Bertita disse que o assassinato de sua mãe "foi um crime político. Mataram-na com ódio e sanha, e também por ser mulher".

Sobre o projeto Agua Zarca, Bertita disse que a comunidade lenca nunca foi consultada, o que vai contra, também, ao direito internacional sobre consulta aos povos originários a respeito de iniciativas que ocupam terras indígenas.

Não ao silêncio

A jovem líder havia dito à Anistia Internacional que o assassinato de sua mãe não foi um caso isolado e que há muitos outros atentados e assassinatos contra ativistas, em especial ambientalistas.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Natureza

"São cifras escandalosamente altas para um país pequeno e que não está em nenhum conflito armado". Como noticiado, passa de uma centena de mortos.

Ela sublinhou que o assassinato de sua mãe é uma mostra do clima de impunidade em Honduras. "É fácil matar alguém em meu país, porque o mais provável é que não haverá consequências". Disse, ainda, à Anistia Internacional, que se mataram sua mãe, uma líder conhecida e reconhecida internacionalmente (em 2015 recebeu o Prêmio Goldman, tido como Nobel verde), o mesmo pode acontecer com qualquer um.

Se o silêncio foi o efeito pretendido pelos algozes de sua mãe, Bertita disse que o assassinato de Berta Cáceres provocou um efeito contrário. "Nós gostamos de dizer que minha mãe não morreu, mas se multiplicou. Tudo isto nos tornou mais fortes". Disse que se o crime contra sua mãe ficar impune, as coisas irão piorar ainda.

Na mesma entrevista, em 2016, ela assegurara que a luta do Copinh continua firme, efetiva, não obstante a triste morte de sua mãe e o clima de terror que os algozes ainda provocam.

E o efeito está nesta tentativa de assassinato de Bertita e José Martínez.

A jovem liderança tem participado de diversas iniciativas internacionais, inclusive na Europa, com o objetivo de pressionar o governo de Honduras a apurar efetivamente o assassinato de Berta Cáceres, entre outros.

Em junho, a Rádio Mundo Real noticiou um comunicado do Copinh, no qual a entidade alerta aos hondurenhos e a comunidade internacional sobre sua preocupação quanto às condições indefesas dos indígenas de Rio Branco ameaçados constantemente por homens armados.

No comunicado, a entidade requer das autoridades hondurenhas medidas imediatas que protejam a integridade física dos indígenas e a vida dos integrantes do Copinh, que seguem na defesa das suas terras ancestrais e contra a invasão promovida pela Desa (Desenvolvimentos Energéticos S.A.), autora do projeto Agua Zarca. Betita disse que o Copinh luta contra 49 projetos empresariais em territórios da etnia lenca, que prosseguem mesmo após o assassinato de sua mãe.

Continuaremos a relatar sobre tal questão, inclusive o andamento do processo contra os supostos autores do assassinato da ambientalista Berta Cáceres, em março de 2016.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo