São raras as declarações proferidas diretamente pelo ditador da Coreia do Norte Kim Jong-un. Na maioria das vezes, as mensagens são transmitidas pela agência de notícias do governo, KCNA, por meio dos funcionários.

Porém, após ouvir Donald Trump ameaçar aniquilar a nação comunista, durante abertura da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, até mesmo o insano ditador demonstrou espanto com a instabilidade psicológica do presidente dos Estados Unidos.

Publicidade
Publicidade

Em declaração à agência oficial norte-coreana, Kim rotulou o bilionário como “mentalmente perturbado”. Também ressaltou a ineficácia das ameaças de Trump, ao dizer que planeja medidas para impedir que os EUA destruam Pyongyang.

O ditador advertiu que os comentários do republicano são, nas palavras dele, “a declaração mais feroz de uma guerra na história”. Por incrível que pareça, dessa vez Kim Jong-un tem razão.

Publicidade

Antes de Trump, nenhum presidente norte-americano havia pronunciado algo parecido na ONU - organização destinada a combater os conflitos entre as nações por meio da diplomacia.

Devido a insensatez das palavras do bilionário, o norte-coreano está convicto de ter acertado na aceleração do programa nuclear. "Suas observações me convenceram, ao invés de me assustar ou me parar, de que o caminho que eu escolhi é correto e que é esse o que tenho que seguir até o final", declarou Kim à KCNA.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

Indignado com as advertências de Trump, ainda frisou para a agência estatal, que na condição de representante da Coreia do Norte, defenderá a honra e a dignidade do Estado e do povo. “Farei com que o homem que tem a prerrogativa do comando supremo nos EUA pague caro por seu discurso", alertou.

No mesmo dia, Donald Trump, feito um cão raivoso, exigiu a união dos países membros para isolar ainda mais Pyongyang.

Aparentando estar ansioso para começar uma Terceira Guerra Mundial, o republicano não poupou críticas à China e à Rússia.

Numa provocação velada, insistiu na comunhão das nações para defender a soberania da Ucrânia no Mar da China Meridional. Atualmente, esse território apresenta conflitos de interesse entre a Rússia e a Ucrânia, que almeja anexar a região da Criméia.

Embora a hipótese de uma guerra global pareça distante da realidade, a ideia de paz é ainda mais utópica.

Publicidade

Afinal, o presidente da nação mais poderosa do mundo é um homem emocionalmente frágil e egocêntrico. Impossível sair algo bom disso.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo