Alguns crimes de violência sexual são terríveis. Uma menina de 10 anos, da cidade de Artigas, no Norte do Uruguai, estava sendo molestada sexualmente com frequência. No entanto, os adultos não acreditavam na criança e nos seus relatos.

Eles decidiram ignorar o que a menininha estava sentindo. A criança, já não aguentando mais toda a pressão e decidindo convencer a todos de que dizia a verdade, decidiu gravar o próprio estupro. O caso absurdo ainda ficaria pior [VIDEO] após a família descobrir quem praticava as insanidades com a garotinha, o pai de uma coleguinha de escola dela.

Menina faz vídeo de estupro para provar que não mentia no Uruguai

Em entrevista à BBC Internacional, Mariela Nuñez, promotora da região, disse que o caso acabou revoltando e chocando o país, pois se tratava de uma criança de apenas 10 anos de idade.

Pior, a menina se viu obrigada a filmar uma bizarra violência apenas para que os adultos acreditassem em sua palavra. A garota, que não teve o nome identificado, sempre ia brincar na casa da amiga e era no local que tudo acontecia.

'É para envergonhar todos nós', diz promotora do caso da menina que foi obrigada a filmar estupro

A promotora do caso diz que os adultos precisam ter muita vergonha, após casos como esse acontecerem. O pai da garota aproveitava os instantes em que ninguém estava em casa e realizava o crime.

A filha do homem não via as cenas. O homem mandava que ela fosse ao mercado com frequência e, durante a ida, ele tocava nas partes íntimas da outra garota. A filha do abusador, no entanto, chegou a ver algumas das iniciativas do pai. O estupro durou pelo menos um ano. A garota falava sobre o que acontecia para a família, mas ninguém acreditava nela.

Os melhores vídeos do dia

Menina e filha de estuprador arma plano para dar flagrante em pedófilo

Ao ver que a amiga estava sendo vítima de seu pai, a filha do estuprador, que tem a mesma idade da vítima, uniu-se a ela e bolou um plano. As garotas tentaram algumas vezes filmar o homem realizando o plano bizarro com elas.

Algumas das iniciativas foram frustradas, até que o abuso, enfim, foi realmente filmado e o vídeo entregue à polícia. Não havia como mentir, argumentar ou revelar que era tudo uma invenção de duas crianças. Estava tudo gravado.

As garotinhas gravaram o estupro com o chamado Xeibalita, um computador infantil que o governo do Uruguai dá aos estudantes. "É um caso extremamente doloroso que mostra a visão das crianças sobre o mundo adulto", disse a promotora do caso.