Segundo informações divulgadas pelo site Siberian Times, Roman Afanasyev, um homem da Rússia [VIDEO] de 31anos de idade, foi condenado a cumprir 300 horas de trabalho comunitário (não remunerado) por ter colocado desnecessariamente a vida da própria filha – ainda bebê – em risco, com o intuito de produzir imagens assombrosas que eram postadas em suas mídias sociais.

Uma inquirição conduzida pelo Comitê Investigativo da Federação Russa (também conhecido como Sledstveny Komitet), órgão governamental responsável por examinar casos criminosos tidos como graves, considerou Afanasyev culpado por "violar grosseiramente suas responsabilidades parentais básicas", apenas com o intuito de atrair a atenção de usuários de comunidades online.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Curiosidades

Em uma das fotos chocantes que o pai divulgou na internet – a qual, a propósito, ilustra esta reportagem – é possível vê-lo de pé, no telhado de um prédio de nove andares, segurando a filha pelo pé esquerdo com apenas uma de suas mãos, e mantendo-a de cabeça para baixo na beirada do edifício.

Além de ter tornado esta imagem pública, Afanasyev escreveu a seguinte legenda em suas mídias sociais, logo abaixo da foto: "Olhe para este mundo de um ângulo diferente".

Em outra ocasião – apenas quatro meses após o incidente do edifício –, o russo acelerou seu carro a 70 km/h e estendeu a menina [VIDEO] para fora da janela do motorista, novamente segurando-a em uma posição extremamente precária.

Arrependimento

Segundo o Siberian Times, na época das acrobacias Roman Afanasyev foi tachado de "doente" e "tolo insano" pelos usuários das redes sociais, e tentou se justificar alegando que estava apenas criando a sua filha com o intuito de que a menina "não temesse nada" – assim como ele –, e que aquilo fazia parte do "treinamento" da garota. Percebendo a reação negativa, ele chegou até a dizer que estava segurando uma boneca na beirada do prédio, mas esta explicação se mostrou uma inverdade.

Assim, durante o julgamento do caso, ocorrido na corte da cidade de Zelenogorsk, o russo reconheceu que estava, de fato, segurando a sua filha no telhado do edifício, e acrescentou ainda que naquele momento o bebê estava dormindo.

Perante o tribunal, o réu afirmou que desejava pedir desculpas aos seus pais, às suas filhas – ele possui mais uma menina juntamente com sua esposa, Kristina (23) – e a todos os parentes pelo que fez, ressaltando que já não repete aqueles atos perigosos.

Afanasyev admitiu totalmente a sua culpa pelos dois incidentes – o do prédio e o do carro –, e acabou recebendo uma sentença branda. Ele poderia ter ficado preso por até três anos, mas o juiz aceitou a argumentação de que o homem era um pai realmente arrependido dos seus atos.

Após a receber a sentença de 300 horas de trabalho comunitário, Afanasyev confessou aliviado que tinha medo de que a criança envolvida nas acrobacias fosse tomada pela justiça – tanto que, junto com a esposa, já estava até mexendo na papelada necessária para passar a tutela da menina para os avós, de modo que a garota não fosse viver em um lar desconhecido.