Uma das mais famosas e prestigiadas revistas do mundo está à venda. O fundador da Rolling Stone, Jan Wenner, e seu filho Gus Wenner anunciaram, neste domingo (17), que estão vendendo 51% dos direitos da revista que lhes cabe. Os outros 49% já haviam sido vendidos em 2016 para a BandLab Technologies, de Singapura.

A norte-americana Rolling Stone foi fundada em 1967 na Califórnia e atualmente o alcance de suas publicações chega a 60 milhões de pessoas em todo o mundo. A revista é caracterizada por capas marcantes e muitas vezes polêmicas. Diversos artistas passaram pela capa da revista, entre eles estão John Lennon, Barack Obama, Kurt Cobain, Michael Jackson, entre outras várias personalidades.

A revista trata essencialmente de música e cultura pop, mas também fala sobre política. Por conta desse seu formato, a Rolling Stone é considerada por muitos a porta voz de uma geração. Em entrevista concedida ao jornal The New York times, o fundador da revista disse: ‘’Eu amo meu trabalho, eu gosto disso, eu gostei por muito tempo. Mas deixar ir é apenas a coisa inteligente a fazer’’.

A venda da revista é apenas mais um indicador de que a mídia impressa vem lidando com um clima econômico severo, juntamente com a migração e adaptação da indústria editorial as mídias digitais.

Outro golpe duro sofrido pela editora da revista foi uma ação judicial movida após a revista noticiar uma falsa noticia de estupro em 2014. Este erro rendeu a Rolling Stone uma retratação e uma indenização por difamação de US$ 1,65 milhão (cerca de R$ 5,16 milhões).

A editora já havia vendido outros títulos, como US Weekly e o Men’s Journal, para a American Media, a editora do National Enquirer. "Nós fizemos grandes passos transformando a Rolling Stone em uma empresa multiplataforma e estamos entusiasmados em encontrar o lar certo para construir nossa base sólida", disse Jan Wenner.

Se a American Media se interessar pela revista, o que é uma possibilidade viável, visto que já tiveram negócios no passado, causará dentro da Rolling Stone uma mudança dentro do campo politico, visto que o dono da American Media é um simpatizante fervoroso do atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump , enquanto a linha editorial da Rolling Stone é formado por simpatizantes mais de esquerda. A revista já fez longas entrevistas com os ex-presidentes do partido Democrata, como Barack Obama e Bill Clinton.

A editora não deu nenhuma declaração a respeito de alguma negociação em aberto ou valores, o que surgiu até agora são apenas especulações e boatos.