Um casal alemão está sendo acusado, no tribunal, de ter jogado gasolina sobre seu filho, de cinco anos, antes de atear chamas no menino. Depois eles teriam continuado na internet, pesquisando por novos parceiros, o que seria seu maior foco de interesse, de acordo com outra filha do casal que testemunhou perante os investigadores. Enquanto eles ficavam pesquisando na internet, o menino teria ficado se contorcendo com dores, durante horas, e só dias mais tarde é que o incidente foi revelado e o menino encaminhado para o hospital, onde precisou de várias cirurgias, mas nunca se irá recuperar totalmente. Agora, Oliver e Jessica Schneider, ambos de 37 anos de idade, estão sendo julgados no tribunal. [VIDEO]

O caso só foi revelado quando o menino estava fazendo compras com sua mãe e uma atendente de loja percebeu seus ferimentos, chamando a polícia.

O casal tem cinco filhos, e foi uma menina de onze anos quem descreveu a 'dupla diabólica', que está sendo acusada por tentativa de homicídio. O casal vivia em Regensburg, no sul da Alemanha.

Foi em uma loja de conveniência de um posto de gasolina que uma jovem chamada Katja S. alertou a polícia, depois que a criança gravemente queimada entrou com sua mãe para comprar mantimentos, cinco dias após sua provação. Os policiais foram investigar o caso e logo alertaram o serviço de apoio a crianças local, que se deslocaram ao apartamento imundo onde essa família estava vivendo, com vários cachorros também. Eles tomaram conta de todas as cinco crianças, incluindo o menino de cinco anos, que foi levado para o hospital devido à gravidade de seus ferimentos.

Os pais foram naturalmente presos assim que a polícia percebeu o que estava acontecendo e serão agora julgados por tentativa de homicídio.

A promotora Ulrike Klein apresentou o caso, no tribunal, dizendo que foi a mãe da criança quem deixou cair a gasolina sobre ele e a acendeu. Ela disse ao tribunal: "Eles não forneceram à criança medicação, comida ou água suficientes, mas eles se dedicavam antes a atividades íntimas, pesquisando na internet por novos parceiros para suas fantasias e tiravam fotos de si mesmos no jardim".

Um policial disse o que os irmãos do menino ferido lhe contaram: "Eles disseram que ele tinha chorado cinco a seis vezes por dia durante uma hora e que sangrava muito". O menino nunca poderá mover um de seus braços normalmente, apesar de várias cirurgias as quais foi submetido após ser retirado dos pais.

O pai está encarando possibilidade de ser condenado a prisão perpétua, [VIDEO] e a mãe se encontra em um hospital psiquiátrico. Após ser detida, ela teria insistido em fazer uma declaração à polícia sobre os benefícios dos exercícios de ioga, o que a teria levado para um hospital-cadeia.

O julgamento vai continuar.