Foi decidido nesta sexta-feira (27) pelo conselho de ministros do governo espanhol, a destituição de Carles Puigdemont e de todo o governo da Catalunha [VIDEO] (denominada Generalitat), assim como da direção geral da polícia, Pere Soler. Após tomar posse das funções do presidente da Generalitat, assumiu também o poder de acabar com o Parlamento Catalão e assim conseguiu convocar eleições para o dia 21 de dezembro.

Mariano Rajoy, premier espanhol, explicou que resolveu convocar o mais rápido possível essas eleições limpas, livres e legais, para que possa ser restaurada a democracia na comunidade autônoma.

Fora isso, foi aprovado também pelo conselho de ministros [VIDEO] espanhol, um recurso perante o tribunal constitucional, contra resolução aprovada no Parlamento Catalão.

Após uma convocação ordinária e posteriormente outra extraordinária, foi decidido pelo governo que deveriam extinguir as delegações da Catalunha no exterior e também seus delegados em Madri e Bruxelas.

Mariano Rajoy, presidente do governo, disse em uma rápida declaração que eles estão respondendo a decisões e que pretendem forçar um inadmissível sequestro aos catalães, assim como a subtração de uma parte da região do conjunto dos espanhóis. Ele também afirma que o estado, visando uma forma pacífica legal e moderada, tem meios suficientes para recuperar a normalidade legal e excluir as ameaças que estão sendo lançadas sobre a convivência. Vale ressaltar que suas declarações foram amplamente apoiadas pelos ministros que o acompanharam.

Saiba mais sobre as eleições

As principais siglas espanholas, assim como o PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol) e o Cidadão, que são de centro-direita, apoiam a aplicação do artigo 155.

Se por acaso as eleições forem realizados nos próximos seis meses, quando a mesma estava prevista para ocorrer apenas no fim de 2019, com certeza será um momento de grande expectativa. Caso os separatistas consigam aumentar seu número de assentos no Parlamento Regional, a crise poderá voltar com muito mais força ainda em sua retomada.

Influência na bolsa

Após o anúncio do Parlamento Catalão, a bolsa já apresentava queda de 1,7%. Após o ocorrido mais cedo, quando foi aprovado pelo Parlamento Regional Catalão uma constituinte para que seja proclamada uma república independente, isso acabou agravando ainda mais a crise no território espanhol.

E você, leitor da Blasting News/ Diga-nos através dos comentários o que pensa sobre esta crise.