A Catalunha deu um passo importante para declaração de sua independência. Em uma sessão realizada nesta sexta-feira (27), o parlamento catalão aprovou a declaração da Catalunha como um estado independente, que funcionará sob a forma de uma república. Foram 70 votos a favor, 10 contra e 2 em branco.

"Assumimos o mandato do povo da Catalunha expressado no referendo sobre a autodeterminação de primeiro de outubro e declaramos que a Catalunha se torna um estado independente na forma de uma república", diz o texto apresentado na sessão que teve votação secreta. Com aplausos intercalados ao hino nacional da Catalunha, o momento foi marcado por emoção e tensão.

Apesar do entusiasmo dos separatistas, a "independência da Catalunha" corre o risco de ser impedida, porque uma vez declarada, o governo espanhol tem as ferramentas necessárias para a aplicar imediatamente o artigo 155. A primeira medida que deverá ser tomada pelo governo de Mariano Rajoy será a demissão do governo catalão e o impedimento do presidente da Catalunha, Carles Puigdemont.

Para um dos parlamentares contrário à independência, Carlos Carrizosa, "Puigdemont vai ficar marcado na história por ter arruinado a Catalunha, mas não vai conseguir dividir a Espanha". Ele lembrou que a democracia estabelecida em 1978 sofreu um golpe com a vitória dos separatistas no parlamento. "Hoje é um dia triste e dramático para a Catalunha", disse o parlamentar.

Durante discurso no parlamento, o presidente Carles Puigdemont disse que os parlamentares deram um passo que estava sendo aguardado há muito tempo.

"Haverá momentos em que todos teremos que manter o pulso deste país, no campo da paz, da civilidade e da dignidade", discursou o líder catalão.

Pouco depois do anúncio da independência da Catalunha, o senado votou a favor da aplicação do artigo 155 da constituinte espanhola que dá direito ao governo de Madri de intervir e destituir o governo da Catalunha. O presidente Rajoy disse não ver outra alternativa a não ser aplicar a lei. "A única coisa que pode e deve ser feita é ir à lei para fazer cumprir a lei", disse Rajoy.

Segundo ele, a aplicação do artigo 155 tem quatro finalidades: retornar à legalidade contra os governantes catalães "que se rebelaram contra a lei", recuperar a confiança, manter altos níveis de crescimento e criar empregos, além de realizar eleições". Para o presidente espanhol, em uma situação de anormalidade institucional só resta a aplicação de lei.