Mais um daqueles casos graves e raros que acontecem na Medicina, no qual as pessoas se perguntam: 'Como foi possível?', ocorreu na cidade de Shenzhen, na China, no qual um chute dado pelo feto, colocou em risco a sua vida e a de sua mãe, ao romper a parede uterina [VIDEO].

O caso aconteceu com uma chinesa identificada como Zhang, que estava grávida de 35 semanas e sentiu fortes dores abdominais, após sentir um chute dado pelo seu bebê [VIDEO]. Ela resolveu procurar ajuda médica no Hospital da Universidade de Pequim, onde imediatamente os médicos tiveram a suspeita da ruptura do órgão, em virtude dos sintomas apresentados por Zhang, tais como aumento da pressão arterial, fortes dores abdominais e problemas na respiração.

Para confirmação do diagnóstico, a mulher realizou uma ultrassonografia, na qual foi possível ver que uma das pernas do bebê estava para fora do útero. Os médicos concluíram que a ruptura no útero de Zhang, era de aproximadamente 7 centímetros.

A demora em uma cirurgia poderia causar uma hemorragia em Zhang e ocasionar a falta de ar no bebê, por isso ela foi encaminhada de pronto ao centro cirúrgico para o nascimento da criança, e embora fosse considerado um procedimento de alto risco em virtude do sangramento, tudo correu bem, mãe e filho passam bem.

Depois do ocorrido, o hospital noticiou o fato em uma página do Weixin, que na China seria uma rede social tão popular quanto o Facebook, e informou que segundo o Medscape, a chance de ocorrer uma ruptura uterina, como no caso de Zhang, é de apenas 0,07%, por isso trata-se de uma condição grave, porém rara.

Os melhores vídeos do dia

No caso especifico da chinesa, a ruptura pode ter ocorrido em virtude de uma cirurgia realizada para retirada de um mioma, no ano de 2006.

Michel Cackovic, médico obstetra do Centro Médico Wexner, em Ohio, Estados Unidos, deu a sua opinião sobre o caso de Zhang, dizendo que o caso dela foi uma complicação não natural, pois os tecidos ficam mais frágeis quando possuem cicatrizes provenientes de cirurgias ou até mesmo de cesarianas, o que propicia o rompimento através de uma pressão. Ele acredita que talvez não seja o feto, que tenha causado o rompimento, mas que por ser uma parede de tecidos frágeis, por conta da outra cirurgia, este tenha acontecido naturalmente e a perna do bebê tenha saído posteriormente. Mas que possivelmente o chute tenha sido um impulso, para que a perna tenha conseguido atravessar a camada da parede uterina.