O engenheiro e ex-astronauta Alfred Merrill Worden (Al Worden), 85 anos, que em julho de 1971 foi o piloto do módulo de comando da Apollo 15, a quarta missão tripulada da Agência Espacial Americana (NASA) a pousar na lua, recentemente surpreendeu o mundo ao fazer declarações sobre extraterrestres, durante entrevista ao programa britânico Bom Dia Grã-Bretanha (Good Morning Britain).

Embora não haja provas concretas de civilizações inteligentes no universo, ou aqui mesmo, no nosso planeta, ele, que passou seis dias na órbita da lua, observando-a de perto, e fez parte de um seleto grupo de homens a explorar o universo, surpreendeu milhares de telespectadores ao opinar sobre a origem da humanidade.

Para Al Worden, a teoria evolucionista do darwinismo, que acredita no desenvolvimento do ser humano a partir de outras espécies de primatas há milhões de anos, não faz sentido. O polêmico cientista afirma que os homens são extraterrestres [VIDEO]. Segundo ele, os humanos vieram para a Terra a partir de outro planeta.

Ele mostrou convicção ao enfatizar a presença alienígena no cosmos. “Há outra Terra, não há dúvida sobre isso e eles, os alienígenas, estão lá fora, talvez a 3,2 anos-luz da Terra", declara, para espanto dos jornalistas.

Al Worden ainda cita a misteriosa e pouco compreendida civilização suméria, responsável pelos conceitos adquiridos pela humanidade, como, por exemplo, a escrita (cuneiforme), a agricultura, a religião, a arquitetura, a astronomia etc.

Na concepção do ex-astronauta, que parece corroborar as alegações do falecido escritor Zecharia Sitchin (morto em 2010), autor de vários livros sobre os Sumérios, evidências dos extraterrestres no nosso planeta podem ser lidas na antiga literatura daquela civilização, formada em torno da mesopotâmia, atual Iraque e Kuwait – veja o vídeo.

Os melhores vídeos do dia

Embora surpreendente, ele não é o primeiro astronauta a revelar crenças pouco ortodoxas sobre os aliens. O segundo homem a pisar na lua, Buzz Aldrin (87 anos), diz para quem quiser ouvir, que quando estava próximo ao satélite natural, durante a missão Apollo 11, viu uma estranha luz próxima à janela.

Veja a seguir o documentário onde Buzz Aldrin comenta o inusitado avistamento, em 1969.

Tudo indica que não estamos sozinhos no universo. Porém, como disse o popular astrônomo Carl Sagan, morto aos 62 anos em 1996: “Não nos foi dado papel principal no drama cósmico”.