Um homem foi preso após entrar em uma estação de rádio e esfaquear uma mulher nesta segunda-feira (23), na cidade Moscou, na Rússia. O acusado de ter cometido o crime foi identificado como Boris Grits, de 40 anos. Para a polícia, ele está sendo acusado de ter esfaqueado no pescoço a apresentadora de rádio Tatyana Felgengauer, no momento que ela fazia uma transmissão ao vivo. A mulher foi socorrida e levada para uma unidade médica da localidade, passou por uma cirurgia e não corre risco de vida.

A polícia não informou qual o motivo para o homem tentar matar a jornalista

De acordo com a imprensa local, a polícia não informou o que levou o homem a esfaquear a jornalista. Segundo uma amiga da apresentadora identificada como Echo, um homem com o mesmo nome do acusado acusou a vítima de persegui-lo sexualmente com telepatia.

Uma semana antes outra jornalista foi morta por um carro-bomba

Segundo a polícia, o ataque à vítima aconteceu uma semana depois que outra jornalista da cidade de Malta, identificada como Daphne Caruana Galizia, foi assassinada por um carro-bomba, após ela denunciar vários políticos por corrupção.

Conforme relatos, Galizia divulgava várias informações em seu site pessoal sobre a corrupção envolvendo vários políticos. De acordo com o site The Independent, fontes ligadas à polícia informaram que as primeiras investigações apontaram que a jornalista foi assassinada por um grupo internacional do crime organizado e usaram explosivos militares para matar a mulher.

O jornal informou que um residente local com vínculos com o grupo poderia ter "comissionado" o bombardeio em Galizia, cujo trabalho de investigação incluiu sondar os supostos pagamentos da família dominante do Azerbaijão a funcionários maltês.

"Nós estamos olhando uma situação agora, onde nenhum jornalista se sente seguro, e os jornalistas nunca mais se sentem seguros", disse o vice-presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, na semana passada em uma vigília em Bruxelas.

Informações repassadas pelo Comitê dos jornalistas, desde do ano de 1992, quase 60 profissionais na área da informação já foram assassinados na Rússia, com dois mortos no início deste ano em São Petersburgo e na Sibéria.

O colega de Felgengauer, Echo, YuliaLatynina, anunciou em setembro que estava saindo do país depois de uma série de ataques, incluindo o seu carro em chamas. Porém, no ataque desta segunda-feira, a polícia está investigado como uma tentativa de assassinato. Qual a sua opinião sobre esse crime? Deixe-nos saber dos seus pensamentos na seção de comentários logo abaixo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo