Um homem que mora nos Estados Unidos, em Los Angeles, na Califórnia, chamado Isauro, torturou e matou um menino de apenas oito anos pelo simples fato de achar que ele era feminino demais para os padrões machistas de sua cabeça homofóbica.

Antes de acabar com a vida do menino, porém, ele ainda o torturou das piores maneiras possíveis, o que indignou todo um país e agora o mundo. A pobre criança da foto era Gabriel Fernandez, tinha apenas oito anos e foi julgado por seu padrasto como um gay.

A partir de então, o padrasto começou a abusar psicologicamente do menino, o obrigando a usar roupas e sandálias de menina, além de obrigá-lo a fazer coisas que degradam completamente a integridade humana.

Conheça esta triste história [VIDEO].

Homem julgou e condenou uma criança de apenas oito anos à morte por parecer gay

Infelizmente, este caso é real e aconteceu nos Estados Unidos. Isauro era padrasto de Gabriel e, segundo seu relato, depois de preso, se incomodava com os jeitos femininos do garoto. Mas o menino tinha apenas oito anos e nem mesmo entendia sobre sexualidade. Claro que o menino agia de acordo com uma criança normal da idade. [VIDEO]

Mas aos olhos doentios de Isauro, Gabriel precisaria de um corretivo para 'virar homem'. Isauro acabou usando de métodos cruéis e desumanos para fazer com que o enteado sofresse e fosse ao limite do ser humano, não resistindo e morrendo.

Isauro torturou e matou o menino

Dentre as torturas que Isauro cometia contra o pequeno Gabriel, estavam ingerir as próprias fezes e queimar o corpo do garoto com cigarro aceso.

Os melhores vídeos do dia

Ele chegou também a disparar spray de pimenta contra o garoto, que passou muito mal na época.

Como as leis dos Estados Unidos são muito punitivas para quem tortura e mata uma criança (penas acumulativas), Isauro resolveu matar logo o menino para tentar se safar da pena de tortura e cárcere privado contra um infante. A mente doentia do homem fez com que, sem saída, planejasse como ainda tentar escapar da cadeia ou ter, no mínimo, sua pena reduzida.

Homem alega não ter torturado menino para reduzir a pena

Cabe lembrar que na Califórnia, onde o crime foi cometido, existe a autorização em crimes bárbaros a condenação à pena de morte. Entretanto, este não será o caso de Isauro, que se declarou culpado pela morte do menino. O crime aconteceu em 2013 e agora será julgado em definitivo.

Caso as torturas ao menino sejam comprovadas, Isauro poderá pegar a pena máxima na Justiça. Cabe ressaltar que exames de corpo de delito já comprovaram possíveis marcas de tortura no corpo do menino.

Vejam isso: Homem foi cortar a luz da casa de menino pobre, mas o que acontece é de chorar [VIDEO]

Comente!