O uso do preservativo é muito recomendado por médicos e especialistas, uma vez que esse é ainda o único método de controle de natalidade que protege contra a maioria das doenças sexualmente transmissíveis [VIDEO]. Porém, o uso do preservativo parece estar em declínio. Na Austrália, um estudo recente sobre homens solteiros e heterossexuais descobriu que apenas um em cada três (35%) usou um preservativo em seu último encontro com um parceiro casual.

Mais problemático ainda, um relatório do Centro de Pesquisas Sociais em Saúde descobriu que são menos de metade os homossexuais e bissexuais – ​​47% - que estavam usando preservativos com parceiros casuais.

O problema é serem muito grandes

Os homens muitas vezes reclamam de desconforto, sensação diminuída e ajuste ruim quando se trata de usá-los e, aparentemente, é porque o tamanho padrão do preservativo é muito grandes para o tamanho médio do homem. Até recentemente, os preservativos padrão teriam pelo menos 16 centímetros de comprimento, mas os estudos acham que o órgão do homem, quando ereto, é aproximadamente 2s centímetros mais curto, de acordo com o jornal New York Times.

"A ideia era que devia ser o maior possível para se adequar à maioria dos homens [VIDEO], e o excesso de comprimento não teria problema", disse Debby Herbenick, especialista em saúde íntima da Universidade de Indiana, nos Estado Unidos.

Ela e seus colegas publicaram outro estudo com 1.661 homens que viviam em todos os EUA e descobriram que 83% tinham comprimento do órgão sexual menor do que o preservativo padrão.

O comprimento médio seria de 14 centímetros.

De acordo com um estudo mais global de pesquisadores britânicos, publicado no jornal científico International Brazilian Journal of Urology, o tamanho médio é de 13 centímetros de comprimento, quando ereto.

Encontrada a solução?

Agora, uma empresa de preservativos nos EUA, a Global Protection Corp, pretende chegar uma camisinha mais personalizada, de acordo com o jornal New York Times. A empresa, com sede em Boston, está vendendo em 60 tamanhos, em combinações de 10 comprimentos e nove circunferências.

No entanto, para proteger a modéstia de um homem, o guia de medição para os preservativos personalizados, deve usar letras e números ordenados aleatoriamente, em vez de polegadas. Um homem pode ser B17, por exemplo.

No entanto, enquanto Wedel diz que os preservativos de vários tamanhos estão saindo das prateleiras, nem todos estão convencidos de que serão a solução para diminuir as taxas de seu uso. Por exemplo, Herbenick disse que a educação sobre preservativos é mais importante do que o acesso a 60 tamanhos.

Ela e seus colegas publicaram um estudo que descobriu que os preservativos de tamanhos variados eram menos propensos a estourar, mas, para alguns homens, mais propensos a escorregar.