De acordo com informações disponibilizadas pelos sites Independent, Mail Online e Diretta News, uma mulher italiana afirmou através de postagem em seu Facebook que foi salva pela ação de um único imigrante de ser estuprada por um grupo de 25 homens em Florença – todos conterrâneos dela.

O incidente ocorreu na terça-feira (17) por volta das 23h:30min (horário local, 3h:30 da manhã do dia 18 no horário de Brasília), envolvendo de um lado Gaia Guarnotta, uma fotógrafa de 25 anos de idade, e do outro Hossein Alamgir (58), o seu salvador originário de Bangladesh. Naquela data, a mulher estava caminhando sozinha pelos arredores da Piazza della Repubblica ("Praça da República" em português), situada na cidade de Roma, quando a gangue de jovens italianos bêbados se aproximou dela.

Conforme o relato de Guarnotta, a princípio os jovens apenas brincaram, rindo e pedindo para que ela tirasse uma selfie com eles. No entanto, a interação acabou mudando de curso, já que os homens a cercaram e começaram a pedir para que a fotógrafa fizesse sexo com todo o grupo – ato no qual seriam "25 contra uma", sendo que aquilo era algo que eles a fariam "gostar".

A italiana obviamente se recusou, e os jovens começaram a insultá-la, chamando-a de "prostituta" e de outros termos depreciativos. Depois disso, tentaram arrastá-la pelo braço, e como Guarnotta impôs resistência a este ato, os integrantes do grupo jogaram as bebidas que carregavam contra ela – alguns deles chegaram até mesmo a cuspir na mulher, enquanto tudo era filmado com os telefones celulares dos próprios agressores.

Desesperada com a situação, a fotógrafa começou a chorar, e foi então que Hossein Alamgir entrou em cena.

A coragem de um vendedor de flores

Alamgir, que vive legalmente na Itália desde 2005, estava no momento do incidente vendendo rosas na Piazza della Repubblica,como faz costumeiramente, quando percebeu o tumulto em volta de Gaia Guarnotta. Armado apenas com sua coragem, o imigrante entrou no meio do grupo de jovens e começou a dizer-lhes para que deixassem a mulher em paz – ato que foi revidado com inúmeros insultos.

Sem se abalar, o homem segurou Guarnotta pelo braço e a retirou rapidamente de perto do grupo de bêbados, levando-a para longe da praça.

Alamgir ofereceu um lenço à fotógrafa e esperou que ela se acalmasse. Depois disso, o vendedor presenteou-a com uma rosa, deu-lhe algo para comer e permaneceu em sua companhia até que os amigos dela a levassem embora – mas antes que a despedida ocorresse, e sem saber como retribuir, Guarnotta deu ao imigrante a foto que estava no seu passaporte, dizendo a Alamgir que aquela imagem o faria se lembrar para sempre do rosto da garota que ele defendeu naquela noite.

Na postagem divulgada através do Facebook, a fotógrafa italiana deu graças por ainda existirem pessoas como Alamgir, que "ajudam sem querer nada em troca", e ela ainda ressaltou sobre o homem: "Este é um rosto que nunca esquecerei".

Segundo o Mail Online, não se sabe se Guarnotta contatou a polícia para relatar o incidente.