Uma mãe desesperada pediu conselhos de outros pais depois de admitir que ela "odeia" seu terceiro filho, e até chegou a desejar que ele "morresse em seu sono". Essa mãe está claramente lutando contra esses sentimentos e foi exatamente por isso que ela foi questionar no Reddit, procurando por aconselhamento de outros pais.

Ela implora ainda que não a julguem, por ela não gostar de seu filho de 3 anos de idade, enquanto ela ama tanto suas filhas, com 6 e 8 anos.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Maternidade

Entretanto, seu post já foi removido do Reddit, mas enquanto esteve na plataforma, ela recebeu várias respostas e muitos entenderam essa mãe.

Como tudo começou

Explicando como tudo começou, ela revela que seu filho foi o resultado de uma gravidez não planejada.

Ela e seu marido decidiram que, definitivamente, eles não queriam mais filhos e estavam tomando anticoncepcional. Porém, ela acabou engravidando e só descobriu quando já estava com uma gestação de 16 semanas e já sentia seu bebê se movendo. Por essa altura, era já tarde demais para abortar e eles decidiram continuar com a gravidez, apesar de não ser desejada.

Essa mãe não tem sua identidade revelada e usa uma personalidade anônima como usuária do Reddit. Ela contou que chorou muito durante essa gravidez, até porque odiava só de imaginar em ter que passar novamente pela fase do parto e os primeiros tempos do bebê. No entanto, ela teve uma gestação saudável e foi fingindo estar feliz a cada vez que alguém dava "Parabéns" para ela. Por dentro, ela estava morrendo de tristeza.

As coisas pioraram mais ainda quando ela percebeu que sua carreira não evoluiu por ela estar grávida.

"Agora estou trabalhando em um trabalho maldito que odeio", disse ela, desolada e quase culpando seu filho por isso.

Situação se agravou após o parto

Continuando com sua história, ela compartilhou ainda que seu terceiro filho foi mais difícil do que as meninas, e que não dormiu toda a noite, durante seus primeiros 18 meses de vida. "Eu honestamente o odiei nos primeiros 18 meses de sua vida", diz ela. "Eu não quero parecer insensível a quem sofreu uma perda dessa maneira, mas eu tenho que ser sincera, meu marido e eu tivemos um período em que, se ele tivesse morrido em seu sono, teríamos sentido alívio", concluiu.

Ela contou que teria feito um aborto se ainda fosse permitido quando ela descobriu. Quando o bebê nasceu, tudo se tornou ainda mais complicado. Três anos depois, ela diz que continua sentindo mais amor por suas filhas do que por seu filho [VIDEO], talvez por ele ter sido uma criança mais difícil.

"Sinto que adoro e cuido de minhas filhas porque realmente as amo e cuido do meu filho porque é minha obrigação fazê-lo.

Eu pensava que o amor e os sentimentos maternos viessem após o parto, mas nunca aconteceu... provavelmente por causa de quão difícil ele era", revelou essa mãe.

Porém, a mulher sabe que a culpa não é da criança e lamenta sentir-se assim: "Eu me sinto culpada por isso, e é por isso que estou aqui. Não quero uma palestra, quero alguma ajuda para tentar não me sentir assim. Odeio sentir isso".

As respostas não tardaram e, surpreendentemente, foram várias as pessoas que disseram estar vivendo situações semelhantes, e que isso vai ficar para sempre. Alguns aconselharam terapia, mas muitos disseram que isso não tem cura e que ela jamais vai conseguir gostar desse menino.