Um caso incrível está chocando toda a comunidade de Milwaukee, nos Estados Unidos. Os vizinhos chamaram a Polícia, após terem visto uma estranha fumaça saindo de uma casa. Infelizmente, quando a polícia chegou, era já tarde demais e só encontraram o corpo queimado de uma criança [VIDEO] de 4 anos.

Junto com o corpo de um pequeno animal de estimação. Na casa não estava ninguém mais. Porém, mais tarde, a polícia conseguiu capturar Amelia DiStasio, de 23 anos, que era a mãe do menino e a principal suspeita de ter cometido tão grande tragédia.

Amelia está agora sendo julgada no tribunal e pode ser condenada a pena de prisão perpétua, caso seja condenada pela morte de seu filho, o pequeno Antonio DiStasio.

O menino sofria de autismo, mas essa mãe teria percebido todos os sintomas de maneira errada. Seu pai e avô de Antonio está desolado e rezando pelo neto, mas também pela filha, que ele diz ter problemas de saúde mental.

Como tudo aconteceu

Foram os vizinhos que alertaram a polícia e que mais ajudaram a que os investigadores melhor entendessem a gravidade do caso. Na noite anterior ao terrível incidente, alguns vizinhos teriam escutado alguns gritos na casa de Amelia. Eles escutaram o menino pedindo para que a mãe parasse. "Por favor, pare, pare! Não vou fazer de novo!", gritava o menino, enquanto que a mãe apenas dizia: "Cale essa boca!"

No dia seguinte, os vizinhos estranharam toda a fumaça e chamaram a polícia [VIDEO]. Pouco antes que os policias chegassem, alguém viu Amelia pulando a janela e fugindo da cena.

Os melhores vídeos do dia

Quando os policiais chegaram à cena do crime, ela já não estava presente. Eles encontraram o menino, de mãos amarradas atrás de suas costas com sete cintos, dentro da banheira, e um saco de plástico estava sobre sua cabeça.

Eles encontraram ainda uma garrafa aberta de óleo de cozinha no banheiro, disse a polícia. As roupas do menino carbonizado ainda estavam fumegantes.

Junto com o corpo do menino, eles encontraram um hamster de estimação, afogada em uma gaiola, ao lado da banheira. A mãe foi encontrada pouco depois, vagueando pelas ruas e foi detida. Ela está sendo acusada de assassinato em primeiro grau.

Ela acreditava que o menino era canibal

No celular de Amelia, os detetives descobriram suas pesquisas mais recentes. "Como os canibais morrem" e "Como matar um canibal" foram seus termos de pesquisa, mas ela entrou ainda em um fórum de mensagens de um jogo de computador de canibalismo, em que os usuários sugeriram "matá-lo com fogo" e que os canibais gostavam de "se banhar em petróleo".

Supostamente, essa mulher acreditava que seu filho, que sofria de autismo, era canibal e ela pesquisou na internet uma forma de matá-lo, provando que esse crime foi premeditado. No entanto, Ralph DiStasio, pai de Amelia, disse que filha sofre de problemas de saúde mental. "É impossível descrever isso. Tenho que esperar que Antonio esteja no céu e eu tenho que rezar para que Amelia consiga ajuda, se precisar de ajuda, e eu acredito que precisa", revelou Ralph, em declarações ao canal Fox6.