A estação espacial chinesa Tiangong-1, lançada em 2011, era uma estação experimental que marcou o início das pesquisas espaciais da China, sendo a primeira lançada por eles. Porém, a Tiangong-1 vem perdendo a órbita rapidamente desde 2016.

Os oficiais chineses informaram em maio deste ano ao Comitê sobre os Usos Pacíficos do Espaço Externo das Nações Unidas que irão monitorar a descida da estação e manter o órgão informado. A data esperada para a colisão é entre outubro de 2017 e abril de 2018.

Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, o astrofísico Jonathan McDowell informou que é possível que destroços pesando mais de 100 quilos se mantenham intactos e cheguem ao solo terrestre.

"Agora que [seu] perigo está abaixo de 300 km em uma atmosfera mais densa, a taxa de decadência está aumentando", disse Jonathan MacDowell, formado pela Universidade de Harvard.

Comparada com outras estações espaciais, a Tiangong é pequena, pesa 8,5 toneladas e tem capacidade máxima para três tripulantes. Inclusive, recebeu a primeira mulher astronauta da China, Liu Yang. Inicialmente, o plano da missão era que durasse apenas dois anos. Depois, os chineses definiriam a descida da estação em segurança. Porém, a Tiangong-1 ficou 1,630 dias em órbita. Isso fez com que em 2013 a estação fosse desativada e deixada no espaço.

Wu Ping, diretora do escritório chinês de engenharia aeroespacial, não acredita na possibilidade que algum destroço da estação chegue ao solo.

Se chegar, é improvável que caia em lugar densamente habitado ou cause algum dano à aviação civil. Uma mudança climática, por exemplo, poderia desviar a rota da estação para qualquer lugar do mundo. O mais preocupante é o fato de não poder se prever com exatidão o local da queda até que a Tiangong entre na atmosfera, isso com margem de erro de seis a sete horas, para mais ou para menos.

Outras estações espaciais já perderam a órbita e colidiram com nossa atmosfera.

Em 1979, a estação SkyLab, da Nasa, pesando 77 toneladas, perdeu o controle e destroços caíram sobre uma cidade chamada Perth, na Austrália. Em 1991, houve a queda da Salyut 7, que foi lançada em 1982 pela União Soviética. A Salyut 7 pesava 20 toneladas e estava presa a outra nave, a Cosmos 1686.

Elas caíram sobre a Argentina e destroços atingiram Cápitan Bermúdez. Em 2001, a MIR, outra estação Russa, pesando 135 toneladas, caiu sobre o Oceano Pacífico. Atualmente, a Nasa vem monitorando um asteroide de 400 metros que poderá entrar na atmosfera terrestre futuramente.

Agora nos resta esperar e torcer para que tudo ocorra bem e que mais nada saia do controle.

Siga a página Curiosidades
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!