Uma forte acusação

O presidente Donald Trump disse, nesta segunda-feira (16), que "acredita que Cuba seja responsável" pelos misteriosos ataques que assolaram, pelo menos, 22 diplomatas dos EUA e familiares, em Havana."Eu acredito que o responsável seja Cuba, eu acredito nisso", disse Trump no Rose Garden.

Os investigadores continuam a analisar as circunstâncias sobre 50 ataques que podem ter envolvido o uso de um dispositivo acústico, disse um funcionário dos EUA à CNN. De acordo com ele, por ser um dispositivo muito sofisticado, estava fora do alcance do som audível, sendo tão prejudicial que um diplomata dos EUA, agora, necessita fazer uso de um aparelho auditivo.

Três funcionários dos EUA disseram à CNN, na semana passada, que o dispositivo foi implantado dentro ou fora das residências de diplomatas dos EUA que moram em Havana.

O que exatamente sentiram?

Durante meses, desde o final do ano passado, os diplomatas dos EUA, em Havana, reclamaram sobre incidentes, muitas vezes, tarde da noite em suas casas ou quartos de hotel, que os deixaram sentindo-se mal. Algumas vezes, eram atormentados por uma súbita onda de náuseas, tonturas e dores de cabeça acompanhadas de sons estranhos semelhantes a insetos ou metal arranhando o chão.

As perguntas também continuam a rondar sobre o envolvimento do governo cubano nos ataques, dado que os especialistas afirmam que o país, provavelmente, não tenha conhecimentos científicos suficientes para lançar uma operação tão sofisticada.

Na quinta-feira, o chefe de gabinete de Trump, John Kelly, não acusou diretamente o governo cubano de realizar os ataques, mas deu seu recado aos jornalistas: "Acreditamos que o governo pode parar os ataques aos nossos diplomatas".

Alguns ainda duvidam

Altos funcionários lá disseram, repetidamente, nas últimas semanas, que ainda não determinaram quem está realizando os ataques ou o que exatamente está causando a doença resultante. Muitos funcionários atuais e antigos afirmam duvidarem que Cuba seja o responsável. "A pergunta que ninguém parece perguntar é por que os cubanos fariam tal coisa?", Steven L. Garret, que ensinou acústica na Penn State University antes de se aposentar no ano passado, disse à CNN na semana passada. "Os cubanos não são conhecidos por sofisticação em acústica física e de engenharia", continuou Garrett.

Um funcionário dos EUA disse à CNN que eles estão investigando se um terceiro país estaria envolvido como uma forma de "vingança" por ações que os EUA tomaram em outro lugar e que "levaram a uma divisão entre os EUA e Cuba".

O presidente não se estendeu sobre o que teria levado à conclusão de que Cuba era responsável, mas chamou de "um ataque muito incomum".

No início deste mês, os EUA expulsaram 15 diplomatas cubanos a fim de equiparar às reduções de funcionários na Embaixada dos EUA, em Havana, depois de o Governo dos EUA ter mandado trazer de volta os diplomatas desnecessários e suas famílias devido ao ataque misterioso. O movimento levou a uma reprovação irritada do ministro cubano dos Negócios Estrangeiros, Bruno Rodríguez Parrilla. "Cuba nunca perpetrou, nem jamais irá perpetrar ataques de qualquer tipo contra funcionários diplomáticos ou seus parentes", disse Parrilla em entrevista coletiva, em Havana.