Em encontro no dia 17 passado, na Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reafirmou o compromisso dos Estados Unidos com a recuperação econômica da Grécia. Ele declarou que a Grécia "atravessou tempos difíceis" durante a forte crise econômica que o país vem passando e assegurou que os EUA continuarão firme ao passo que a nação helênica executa seu plano de redução de dívidas. Trump ainda acrescentou: "Uma Grécia forte e florescente oferece imensas oportunidades para o comércio americano, o investimento e a criação de emprego."

Para os Estados Unidos, a Grécia é forte aliada em cooperação na área da defesa no Mediterrâneo Oriental.

Antes mesmo da reunião na Sala Oval ter início, primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, comentou que os Estados Unidos são “parceiros estratégicos” e que seu país desempenha “um papel geoestratégico na região” onde se situa, no Mediterrâneo Oriental e no Mar Egeu.

Quando perguntado por repórteres como a Grécia pretende atrair investidores a longo prazo, Tsipras respondeu que criar legislações mais apropriadas atrairá mais investimentos, como uma taxa fixa de 12 anos para investimentos de grande valor. Não somente isso, o primeiro ministro visa reduzir questões burocráticas através de meios digitais. "Os investimentos significam empregos. Emprego significa menos desemprego. E isso tudo significa o retorno de jovens que deixaram a Grécia para ir a outros países", disse ele.

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, congratulou o primeiro-ministro pelo retorno do país ao crescimento econômico e aos mercados financeiros.

Ainda acentuou o contínuo apoio norte-americano a uma solução abrangente para reunificar Chipre como uma federação bizonal e bicomunal. Por fim, agradeceu a crescente cooperação grega com Israel, Chipre e o Egito no Mediterrâneo Oriental.

A Grécia finalmente vem emergindo de uma crise financeira de oito anos com o FMI (Fundo Monetário Internacional), a União Europeia e prevê um retorno ao crescimento ainda este ano. As privatizações em grande escala é apenas um dos itens na agenda do governo helênico, além do retorno gradual ao mercado durante o próximo ano.

Ainda no encontro, os dois líderes deixaram de lado algumas desavenças do passado. Em 2012, Trump comentou em seu Twitter que a Grécia deveria sair da Zona do Euro, voltar a usar a antiga moeda e que a União Europeia estava "perdendo seu tempo".

Do outro lado, Tsipras também atacou Trump em 2016 dizendo: "Espero que não enfrentemos este demônio". Agora, ao lado de Trump, Tsipras alegou que os dois países compartilham os "valores da liberdade e da democracia" e suas conversas ajudariam a "melhorar a parceria estratégica."