A China viveu uma economia planificada de mercado quando aderiu ao comunismo camponês implementado pelo professor chinês Mao Tsé Tung em 1949. Ali ao lado, também floresceu o capitalismo estratégico em Hong Kong conduzido pela Inglaterra.

Hong Kong se fortaleceu e formou alianças econômicas, a principal delas, os tigres asiáticos. Porém, enquanto isso, na China o comunismo ditatorial dava lugar a uma economia capitalista com forte controle estatal.

Um dos responsáveis por tal expansão capitalista na China é o seu líder supremo Xi Jinping, que segue à risca a cartilha de Mao, o líder da revolução comunista. Além disso, o comunismo criado na China difere em muito do comunismo russo por exemplo.

Qual seria o motivo destas diferenças?

O trabalho. Os chineses são trabalhadores diuturnos. O seu modo de vida independe do poder ou de quem está nele, a concepção inata do povo chinês é a de que tem que fazer por si. O modo de vida chinês foi bem relatado por Pearl S. Buck, no best seller A Boa Terra. Pearl S. Buck, que viveu na China, bem relatou com mínimos detalhes a vida de uma família chinesa e seu modo de pensar.

Além do trabalho, a filosofia é algo muito forte na vida deles, inclusive do poder. O poder político chinês não segue uma rígida luta de classes, é mais uma luta direta contra opositores políticos do que contra uma classe em si. Na China houve a mescla de ensinamentos de vários filósofos que pensaram como obter a felicidade na vida, dentre eles Confúcio.

Um deles, no entanto, há de se ressaltar, o filósofo Mozi.

Pouco lembrado no Ocidente, Mozi tem influenciado o poder chinês por muito tempo, inclusive Mao Tsé Tung. Mozi compele os governantes a uma profunda reflexão sobre seus atos e não apenas seguirem cartilhas pré-determinadas que não se amoldam aos casos concretos da vida. Para Mozi, o ser humano deveria amar a todos os seus próximos como se fossem seus familiares legítimos.

Sendo assim, o comunismo veio apenas trazer o poder político na China, parou, no entanto ideologicamente diante da força de Confúcio e Mozi. A resposta disso é um crescimento econômico que não se compara com o modelo ocidental, onde, simplesmente a teoria moziana não encontra espaço. Por isso, sobra egoísmo. Certo Mozi de que ele não leva um grupo a superar seus objetivos nem mesmo a merecer a superação tendo em vista que a vitória por si seria vazia se não fosse em prol de uma comunidade.

China terá líder eterno?

A aplicação de Mozi e de uma postura discreta no cenário internacional, apoiado pelo povo trabalhador da China, levou Xi Jinping a se tornar um ícone na China comparável a Mao Tsé Tung.

Após o recente 19º Congresso do partido, ficou por bem a promessa de Xi, que disse ser responsável por liderar a segunda maior economia do mundo para uma nova era de poder e influencia no mundo.

Em um discurso breve para mais de 2,2 mil delegados do partido, Xi disse que 1,3 bilhão de chineses vivem em júbilo e dignidade. Para os chineses, Xi já superou Deng Xiaoping responsável pela abertura econômica chinesa, sendo que ele assumiu o poder em 2012.

Tudo vai bem para Xi Jinping na China e parece que ele vai entronar algumas décadas à frente desta potência econômica que é a China.