Um assassino racista perdeu uma briga legal para ter um aparelho íntimo, em sua cela. Imran "Baldy" Shahid exigiu o dispositivo junto com uma Xbox 360. Porém, um tribunal recusou suas reivindicações legais para que esses dois aparelhos de divertimento retornassem, após terem sido confiscados por guardas da prisão. Essa decisão foi tomada nessa segunda-feira, dia 21 de novembro, depois que Shahid foi detido e condenado à prisão perpétua [VIDEO], pelo brutal assassinato em de um jovem estudante de 15 anos, Kriss Donald, em 2004.

Agora, o assassino voltou a ser notícia após lançar uma ação civil contra os chefes da prisão, no início deste ano.

Ele reclamou que ele precisava de ter atividade íntima, por causa de uma "reação ruim" que ele fazia às pílulas de Viagra, e disse que seu Xbox foi confiscado de forma injusta. No entanto, de acordo com o Daily Record, o xerife Kevin Drummond rejeitou seu pedido, mas disse que o bandido poderia ter direito a alguma compensação pela perda da Xbox.

Shahid liderou uma gangue que matou Kriss, de 15 anos, simplesmente porque ele era branco. Eles dirigiram o adolescente, aterrorizado, em torno da Escócia por horas antes de esfaquear o garoto, derramando gasolina sobre ele e colocando-o em chamas enquanto ele ainda estava vivo. Shahid foi enjaulado para a vida e terá que cumprir um mínimo de 25 anos de pena. [VIDEO]

No entanto, mesmo detido, esse homem continua sempre dando problemas, especialmente para os guardas que ele vai incomodando sempre que pode.

Em janeiro desse ano, ele afirmava ser judeu para obter refeições Kosher de cortesia, na prisão. Antes disso, já ele havia usado sua fé muçulmana, para acusar os guardas que o mantiveram em cadeia solitária, não o deixando fazer suas orações.

Na última ação legal contra o serviço prisional, ele afirmou ter sofrido de disfunção erétil e que precisava de uma bomba para seu órgão íntimo, para tratar essa disfunção. O homem de 39 anos disse que o governador da cadeia, Allister Purdie, não tinha o direito de confiscar seu kit. Ele disse que agora era forçado a tomar pastilhas de Viagra, o que o deixava com efeitos colaterais "sérios".

Shahid também buscou o retorno do dinheiro que gastou em seu Xbox 360 e cerca de 100 jogos enquanto estava dentro da prisão. O dispositivo foi confiscado porque os detentos poderiam usá-lo para acessar a internet. O xerife Drummond comentou o caso, dizendo: "O Xbox carrega capacidades de wifi e, portanto, pode ser usado como um dispositivo de comunicação pessoal e, como tal, pode legalmente ser proibido".

No entanto, quando Shahid comprou esse Xbox, o aparelho ainda era legal na cadeia, essa foi uma regra que foi alterada e, por isso, o xerife admitiu que ele poderia receber uma compensação, por ter perdido dinheiro nesse investimento.

O caso continuará no início do próximo ano.