Segurar um bebê com menos de 1 ano no colo é tarefa fácil [VIDEO]para qualquer mãe. Porém, para Isabel Pantoja, de 24 anos, tornou-se um desafio. O superbebê dela, Luis Manuel Gonzales, tem apenas 10 meses e já pesa 28 kg. Isso é o peso médio normal para uma criança de 9 anos.

Luisito vive com seus pais no município de Tecomán, no estado de Colima, no México. Apesar de ganhar apenas leite e papinhas de legumes e frutas, não para de engordar. O bebê gigante, que precisa usar fraldas de adulto, intriga os médicos e corre risco de morrer.

‘Leite forte’

No começo, o ganho de peso não preocupou Isabel. Ela achou até que Luisito estava engordando mais apenas porque ela tinha “um bom leite materno”, contou a mãe em entrevista ao jornal britânico Daily Mail.

No entanto, como o filho não parava de engordar, logo percebeu que algo estava muito errado e ficou desesperada à procura de respostas.

Luisito nasceu em 15 de dezembro de 2016, com 3,5 kg e 52 cm, peso normal para um recém-nascido e quase o mesmo que seu irmão Mário, hoje com 2 anos. Porém, com 2 meses já tinha 10 kg e nos oito meses seguintes ganhou mais 18 kg, triplicando de peso.

Veja reportagem, em espanhol, do caso intrigante de Luisito:

Vida em risco

Pai e mãe se revezam para levar Luisito, o bebê gigante, para exames médicos, até quatro vezes em uma mesma semana. O pai, Luis Mario Gonzales, fica com dó. “Dói ver as enfermeiras furando o braço sem encontrar veias por causa da quantidade de gordura”, lamenta.

O casal criou uma campanha nas redes sociais para tentar custear o tratamento.

Luisito tem gordura em vários órgãos: fígado, pulmão e coração. “Sua vida corre muito risco”, alertou a médica Silvia Orozco em entrevista à Agence France Presse (AFP). Especialista em nutrição, ela espera que seja possível ajudá-lo em tempo.

Apesar das risadas, da curiosidade e de segurar a mamadeira, o superbebê não consegue engatinhar por causa do excesso de peso. Sentado, logo cansa. Os pais precisam carregá-lo. A mãe, Isabel, sofre com dores nas costas e está exausta com a tarefa de segurar o filho.

Síndrome de Prader-Willi?

O pai de Luis Manuel, operário em uma fábrica de brinquedos, tomou um susto. Um pediatra disse que o bebê gigante poderá precisar de hormônios. O custo é de US$ 555 cada aplicação (R$ 1.825).

Uma das suspeitas é que Luisito tenha a Síndrome de Prader-Willi. É uma doença genética que causa obesidade, músculos fracos, problemas cardíacos, deficiência intelectual e afeta o desenvolvimento dos órgãos reprodutivos.

Esperança

A médica Silvia Orozco aguarda o resultado de exames de amostras enviadas aos Estados Unidos para descartar a hipótese de Síndrome de Prader-Willi.

Ela torce que a obesidade seja decorrente de um aumento celular excessivo causado pela falta de nutrientes anti-inflamatórios durante a gravidez. Esse fator poderia ter provocado um funcionamento irregular da tireoide e das glândulas suprarrenais, responsáveis pelo metabolismo.

Se o problema for isto, apenas algumas injeções de hormônios poderiam resolver o mistério e salvar o bebê gigante do México.