O tempo para encontrar com vida todos os 44 tripulantes do submarino [VIDEO] ARA San Juan termina nesta quarta-feira, dia 22, pois a embarcação somente tinha oxigênio para 7 dias e 7 noites. Familiares destes tripulantes estão vivendo horas de angústia à espera de notícias. Vários países se mobilizaram, entre eles entre eles Estados Unidos, Inglaterra, Espanha, França, Alemanha, Noruega, Itália e vizinhos do continente, como Brasil, Chile, Peru e Uruguai, contando com cerca de 4.000 efetivos em barcos e aviões em uma área de quase 500 mil km². Porém, as operações são dificultadas pelo mar agitado, conforme explicam as autoridades argentinas.

De acordo com o jornal argentino Clarín, aparentemente foi detectado em alto-mar um sinal de sonar de um objeto metálico, mas nenhuma autoridade do governo ou da Armada confirmou a informação. Ainda de acordo com o jornal, uma frota se encontra em direção ao sinal. O sinal coincide com as informações da Marinha Americana, que localizou vestígios de calor a uma certa profundidade. Uma operação de alerta preventivo foi organizada em hospitais locais, caso ocorra o resgate.

O ARA San Juan saia de Ushuia, ao sul do país, depois de um exercício de vigilância, e perdeu comunicação em sua volta à base em Mar del Plata, ao norte.

Outros casos de resgate de submarinos

Ao longo da história tivemos outros episódios parecidos com submarinos russos e americanos; veja:

  • SQUALUS (1933): Em 1939, o Squalus, um submarino americano, afundou quando estava próximo da costa de New Hampshire. Enquanto o navio estava submerso, a água entrou em alguns compartimentos e causou a morte de 26 integrantes de uma tripulação de 59 pessoas.
  • PACOCHA (1988): o submarino USS Atule colidiu com o navio de pesca japonês Kiowa Marú, próximo ao porto de Calla, em 1988. O acidente abriu uma fissura de mais de dois metros na embarcação, que logo afundou no mar. Dos 52 membros da equipe, 8 morreram durante o naufrágio.
  • KURSK (2000): submarino nuclear russo K-141 Kursk afundou com sua equipe de 118 pessoas em 2000, quando navegava nas águas do Mar de Barents, no Oceano Ártico. Foram resgatados os corpos de 115 ocupantes do submarino.
  • PRIZ AS-28 (2005): o mini submarino de resgate russo Priz, com sete tripulantes a bordo, ficou preso a um cabo metálico em uma profundidade de 190 metros, próximo à península de Kamchatka, no Oceano Pacífico. O resgate foi bem-sucedido e conseguiu trazer a embarcação de volta à superfície. Todos os tripulantes sobreviveram.