Uma colombiana chamada Miriam Rebolledo foi presa no dia 9 de novembro, sob a acusação de abuso infantil e maus-tratos. Segundo a polícia, ela colocou a mão do filho de seis anos, que não teve a identidade revelada, sobre o fogo do fogão.

Miriam tem um motivo para o ato que poderá definir o seu destino: não suportava mais o comportamento do filho, que teria matado vários animais pequenos e praticava bullying na escola. Após ser denunciada, Miriam perdeu a guarda do filho temporariamente.

A colombiana mora em Miami com seu segundo marido e corre o risco de ser condenada a alguns anos de prisão, segundo informou a emissora de TV norte-americana, ABC.

Ela foi detida, prestou depoimento e depois pagou uma fiança no valor de R$ 25 mil, a fim de responder ao processo em liberdade.

O ex-marido de Miriam e pai do menino, Miguel Carcamo, quer lutar [VIDEO] pela guarda do filho, mas confessa que ainda não dispõe de recursos financeiros para sair da Colômbia e ir para os Estados Unidos buscar o garoto. Miriam será julgada em duas audiências que ocorrerão no intervalo de poucos dias, entre final de novembro e começo de dezembro. Até lá, ela poderá ver o garoto duas vezes por semana, desde que supervisionada por uma autoridade da Justiça local.

O menino está sob os cuidados do estado, em um abrigo, mas a Justiça deve deixar o menino sob a guarda de uma amiga de Miriam, ou de uma prima, pois Miguel não tem como ir para Miami.

Em noticiário da ABC, Miriam disse que não sabe o que fazer com o filho e que já o levou em psicólogos, mas o garoto, apesar da idade, é metido a valentão.

A mulher perdeu a paciência depois de ser chamada na escola para saber do comportamento do filho. Na ocasião, os diretores disseram para ela que o menino estava ameaçando as meninas da escola, bem como intimidando outros garotos.

Miriam teme que seu filho [VIDEO] cresça e se torne um assassino, pois com apenas 6 anos, já é uma pessoa extremamente cruel, além de ser muito indisciplinado. No primeiro contato com uma juíza local, Miriam foi acusada pela magistrada de ser injusta com uma criança, mas a mãe rebateu, alegando que já havia recebido várias outras reclamações de agressões praticadas pelo filho e que nada o faz parar de agir mal. Miriam alega que precisava fazer alguma coisa e, no desespero, decidiu dar uma lição no menino, para que ele soubesse o quanto estava sendo errado em seus atos.

A juíza rebateu e disse que conheceu o garoto e o achou fofo, acusando a mãe de crueldade. O noticiário da CBS, emissora norte-americana, informou que Miriam foi denunciada anonimamente pelo ato.

O responsável pela denúncia seria um vizinho que ouviu a briga e os gritos de Miriam e seu filho.

A polícia chegou na casa da colombiana e ela não negou os fatos, demonstrando irritação ao dizer que não aguentava mais o filho brigando com os outros meninos e matando animais. Ao ser abordada por repórteres, a moça disse que teme que o filho se torne uma dessas pessoas que compram uma arma e saem matando os outros por diversão, como tantos casos de chacinas que passam nos noticiários.

Ela ainda disse que não quer que o filho cresça e se torne um abusador, pois gosta de correr atrás de meninas e bater nelas. Quando os repórteres perguntaram se não havia uma forma de dar uma lição no garoto que não fosse machucá-lo, ela rebateu que o filho é dela e não deles, logo, só ela sabia o que estava passando. Por fim, disse que está sendo julgada injustamente e que o filho não está ferido, mas que está bem. As autoridades não quiseram dizer qual é o estado de saúde do menino, mas ele está dormindo em um abrigo.