Uma menina, de nove anos, teria sido estuprada até dez vezes por dia por seu padrasto. A mãe só percebeu quando viu a menina com o estômago mais saliente e levou a criança para um médico privado, onde ela foi examinada. Nesse momento, a criança já estava grávida de cinco meses e o ultrassom confirmou todas as suspeitas. A menina acabou assumindo o que havia acontecido e a mãe denunciou seu companheiro, que entretanto se colocou em fuga. O caso acontece no Peru, e a menina, apesar de ter somente nove anos, vai ter que levar essa gravidez até o final, uma vez que a lei do país não permite fazer um aborto.

O caso está chocando a todos, não só por os abusos que essa criança estava sofrendo nas mãos de seu padrasto, de 30 anos, mas também por ela ser agora forçada a levar uma gravidez até o final, quando seu corpo é ainda demasiado frágil para isso. A família está agora apelando para ter ajuda psicológica, o que essa menina seguramente vai precisar.

A mãe só descobriu o crime quando percebeu que sua filha poderia estar esperando bebê, pelo aumento de seu peso. Grávida de cinco meses, a criança contou tudo sobre os abusos que seu padrasto cometia, quando os dois ficavam sozinhos em casa, e que chegavam a acontecer até dez vezes por dia. Assim que a mãe se preparava para denunciar o caso, o padrasto da menina fugiu da casa da família em Ventanilla, na província peruana do Callao.

Entretanto, se desconhece o seu paradeiro, mas a Polícia está investigando o caso e procurando por esse homem que é, nesse momento, o principal suspeito para esse crime. A família pediu para que a Justiça atuasse contra esse homem e está se pedindo pena pesada para o padrasto da criança, que teria enganado toda a família que teria confiado nele.

A ministra da Mulher do Peru, Ana Maria Choquehuanca, disse que existem diretrizes para dar aos abusadores de menores sentenças máximas.

No entanto, esse homem ainda nem foi encontrado e, assim que isso aconteça, só após o nascimento da criança, é que eles poderiam confirmar seu crime, pelos testes de DNA.

Tanto o padrasto, como a menina e sua família têm suas identidades por revelar, para proteção legal dessa menina, que está agora grávida de cinco meses e, possivelmente, sem perceber tudo o que está acontecendo em seu redor.

A criança terá que levar essa gravidez até o final, apesar de todas as circunstâncias. Porém, um aborto nessa fase da gestação também poderia ser perigoso para a vida dessa menina, mas são muitas as pessoas que não concordam que essa criança, tão nova ainda, passe agora por toda essa provação de dar à luz e ter um bebê, após todos os abusos sofridos, quando ela é ainda muito novinha para entender tudo isso.

A polícia vai continuar investigando o caso e procurando por esse padrasto.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!