Faleceu, em 11 de novembro, aos 92 anos, o professor emérito de Finanças da Wharton School Edward S. Herman, que escreveu com o pensador e linguista Noam Chomsky, professor do Massachsetts Institute of Technology, a obra “A Manipulação do Público: Política e Poder Econômico no Uso da Mídia”.

Esta consagrada publicação é obrigatória aos estudiosos de jornalismo, bem como para o público leitor crítico da influência (ou fabricação de consensos) do atual sistema político-econômico nos meios de comunicação de massa, em especial sobre a influência dos meios de comunicações hegemônicos aliados aos financistas e militares nos Estados Unidos.

A obra foi publicada originalmente em inglês, em 1988, sob o título "Manufacturing Consent: The Political Economy of the Mass Media". Na edição em português (2003), a obra apresenta diversas atualizações, em especial quanto à análise da cobertura midiática nos eventos relativos ao acordo Nafta (1994-1995), que levou o México a uma grave crise econômica que perdura até os dias atuais; as versões da imprensa quanto aos protestos contra a Organização Mundial do Comércio (OMC) e o Fundo Monetário Mundial (FMI) (1999-2000); a parcimônia da grande mídia em relação aos abusos da indústria química, entre outros eventos analisados (com aguda crítica) por esses autores estadunidenses.

‘’A Manipulação do Público’’, que em outros países de línguas latinas ganhou o título de “Os Guardiões da Liberdade”, é uma obra obrigatória para o público leitor, em especial dos que se dedicam ao jornalismo, seja na academia ou na atividade profissional e intelectual.

Assim, o Mundo perde uma brilhante mente contra-hegemônica, que deixa muitas outras obras críticas (de 1968 a 2010) ao atual sistema político-econômico mundial, inclusive escritas com Noam Chomsky, entre outros coautores.

A agência de notícias estadunidense Democracy Now! extraiu uma análise de Herman presente no documentário “The Brainwashing of My Dad” (‘’A Lavagem Cerebral do Meu Pai’’, em português), de julho de 2015. “Os meios de comunicação de massa são instituições de elite. A propriedade da mídia está concentrada nas mãos de pessoas muito ricas. O sistema de mídia é um conjunto de estruturas realmente poderosas. A maioria das pessoas não tem escolha. Não tem uma ampla gama de opções disponíveis que possam analisar e dizer: 'Eu gosto disso ou daquilo'. Portanto, desde o início você tem um conjunto de opções limitado e restrito. É um viés que está incorporado na estrutura do sistema”, afirmou o pensador e linguista.

Jeff Cohen, professor de jornalismo e diretor do Park Center for Independent Media, no Ithaca College, publicou nota em sua página no Facebook, na qual destaca alguns momentos vividos com Ed Herman, em especial numa viagem à Bruxelas para proferirem palestra no Parlamento Europeu sobre o problema do conglomerado de mídia, em atendimento ao convite dos congressistas Verdes.

Para Cohen, o economista e jornalista Herman foi um dos maiores e mais amados críticos da mídia hegemônica de todos os tempos.

Confira alguns vídeos com Ed Herman: