Preso há 48 anos, o assassino em série Charles Manson [VIDEO], morreu aos 83 anos de idade na noite de domingo (19). De acorco com nota de esclarecimento divulgada pelo Departamento de Correção e Reabilitação da Califórnia, EUA, o prisioneiro morreu de causas naturais às 20h13 (no horário local).

Charles Manson não tinha mais nenhum familiar vivo, portanto ainda não se sabe o que será feito com o seu corpo.

Condenado à morte, em 1971, por liderar e comandar massacres que resultaram na morte de sete pessoas, entre elas a atriz Sharon Tate, de 26 anos, que na ocasião, estava grávida de 8 meses e era considerada a possível sucessora da estonteante Marylin Monroe.

A atriz era mulher do diretor Roman Polanski, sendo um dos casais mais famosos e badalados da Hollywood do final dos anos 60.

Da condenação à morte, Charles Manson teve sua sentença revertida para prisão perpétua e ficou 48 anos preso até a sua morte neste domingo.

A trajetória de Charles Manson

Filho de mãe adolescente, provavelmente uma prostituta (segundo estudiosos) Manson foi para o reformatório pela primeira vez aos 8 anos de idade, depois disso, passou a vida entrando e saindo de prisões por conta de crimes como roubo de carros, aliciamento de menores e ataques a lojas de conveniência.

Vida musical

Aos 32 anos foi solto sob liberdade condicional, e até então, já havia passado praticamente metade de sua vida preso. O ano era 1967. Durante a fase em que esteve em liberdade, se aproximou do fundador da banda Beach Boys, Denny Wilson e compôs a música "Never Learn not to Love".

Charles tentou se aproximar do produtor musical Terry Melcher buscando o lançamento de suas músicas, mas os dois acabaram se desentendendo, depois disso, ele teria iniciado a formação dos cultos que ficou conhecido como "Família Manson". O ritual dos cultos era uma mistura de ideais hippies, princípios religiosos e cultos satânicos. Para muitos de seus seguidores, Manson era considerado o novo Cristo.

Poder de persuasão quase hipnótico

Durante o seu julgamento, ele foi descrito como um homem solitário, viciado em drogas e com poder de persuasão quase hipnótico. Segundo consta, ele queria iniciar uma "guerra racial apocalíptica" e por isso ordenou que seus seguidores realizassem massacres aleatórios por bairros de classe média alta. O objetivo era colocar a culpa nas comunidades negras do país.

Em 8 de agosto de 1969, ele ordenou que seus seguidores fossem até a casa do produtor musical Terry Melcher, no entanto, ele não vivia mais lá e a casa estava alugada para Tate e seu esposo.

O grupo chegou à casa pouco depois da meia noite e, ainda do lado de fora, mantou um garoto de apenas 18 anos que era amigo dos donos da casa, em seguida invadiram a casa e mataram, à facadas, todos que estavam presentes.

Na noite seguinte, o grupo matou um casal em Los Angeles e escreveram com o sangue das vítimas as palavras "porcos" e Healter Skelter" música dos Beattles que Manson afirma ter inspirado as suas ações.

Meses depois, um dos seguidores de Charles Manson foi preso por outro crime, sem qualquer relação com o massacre, e enquanto estava preso, acabou confessando, a um colega de cela, sua participação nas séries de assassinados dirigidos pelas ordens de Charles o que levou a prisão de Manson em 1971.