Um motorista de Táxi casado, pegou uma adolescente, fortemente embriagada e sem dinheiro, e levou-a para sua casa. O homem teria estuprado [VIDEO] a menina, de 17 anos. Katar Shahin, de 40 anos, então mentiu que sua vítima era uma prostituta, a quem ele pagara 20 libras (86 reais) pelo serviço íntimo prestado. O homem, em vez de ter levado a adolescente para casa dela, como ela pedira, a levou primeiro para um McDonald's, antes de a levar para sua casa, na área de Hafod, de Swansea, onde a atacou.

Na sequência da sua condenação por estupro no tribunal de Swansea, a Polícia elogiou a coragem da jovem em avançar com a acusação, e registraram Shahin como um "predador".

Como aconteceu o estupro

No tribunal, ficou revelado que, nas primeiras horas do dia 4 de junho, a menina estava caminhando em direção ao centro de Swansea, depois de ter deixado seus amigos com quem passara a noite. Ela tomara álcool, maconha e um comprimido calmante, e estava fortemente intoxicada. Ao mesmo tempo, o taxista Shahin estava terminando seu turno noturno e estava dirigindo para o McDonald's, em Cwmdu, procurando por algo para comer. Foi nesse momento que o motorista de táxi teria visto a garota e se aproximou dela, perguntando se ela precisava que ele a levasse a algum lugar. Quando ela disse que não tinha dinheiro para o táxi, Shahin disse que iria levá-la para casa e a menina entrou.

Durante o julgamento, a garota disse que só entrou no veículo, porque era um táxi, e ela acreditava que todos os táxis estavam equipados com câmeras para a segurança dos passageiros.

Shahin dirigiu-se para o McDonald's e comprou uma Coca-Cola para sua vítima, além de alguma comida, e depois se dirigiu para sua casa, dizendo à garota [VIDEO]que ela tinha que entrar antes que ele pudesse levá-la para casa.

Na casa, ele ofereceu mais álcool para ela, o que ela recusou, e ele começou a tentar beijá-la e acariciá-la. A menina resistiu aos seus avanços, mas começou a sentir sonolência e acabou desmaiando. A próxima coisa que ela se recorda foi ter acordado despida, e com um preservativo usado no chão. Mais tarde, Shahin levou a garota embora, mas não para casa, deixando-a na porta de um bar, o Full Moon na High Street.

Jovem corajosa denunciou o taxista

A jovem conseguiu ir depois para casa e, no dia seguinte, ela contatou a polícia, dizendo que achava que tinha sido estuprada, mas não tinha certeza. A menina conseguiu lembrar o número da casa onde o ataque aconteceu, mas não sabia o nome da rua. No entanto, ela conseguiu descrever a área e, combinada com o conhecimento local dos oficiais, eles encontraram o endereço correto.

Quando os oficiais investigaram a casa de Shahin, eles encontraram um preservativo usado contendo o DNA do réu e da vítima.

No tribunal, o réu inventou que havia se masturbado nesse preservativo, mas que não tinha feito nada com ela e, mais tarde, ele confirmou o ato, dizendo que a jovem era uma prostituta a quem ele teria pago as 20 libras. No entanto, um júri rejeitou suas versões dos acontecimentos e o considerou culpado de estupro.