“Quanto mais estudo este objeto, mais incomum [ele] parece, fazendo-me pensar se poderia ser uma sonda artificialmente enviada por uma civilização alienígena". Esta é a declaração do renomado cientista de Harvard, professor Avi Loeb, presidente do departamento de Astronomia da prestigiada universidade norte-americana, sobre o enigmático asteroide de forma de charuto batizado C / 2017 U1, ou simplesmente ‘Oumuamua’.

Este, que é o primeiro corpo celeste fora do nosso sistema solar observado na nossa vizinhança, em novembro passado, intriga pesquisadores de todo o globo pelas peculiares características apresentadas.

Além do acadêmico de Harvard, que colabora com o projeto Breakthrough Listen, destinado a detectar sinais da presença extraterrestre, patrocinado e liderado pelo bilionário russo Yuri Milner, outros cientistas do programa vão buscar, ainda nesta semana, possíveis sinais de rádio emanados pela suposta nave disfarçada de cometa.

“Eles dizem que estão procurando sinais de rádio, alegando que o visitante misterioso [VIDEO] poderia ser uma nave alienígena”, destaca a reportagem do jornal britânico Daily Mail.

A Breakthrough Listen destaca que o estranho formato do objeto, semelhante aos alegados ovnis em forma de charuto, é incomum em uma rocha espacial. Porém, argumenta que o design é ideal para uma nave atingir grandes distâncias no cosmos.

“Os pesquisadores que trabalham no transporte espacial de longa distância sugeriram anteriormente que uma forma de charuto ou agulha é a arquitetura mais provável para uma nave espacial interestelar, pois isso minimizaria o atrito e os danos causados ​​pelo gás e pelo pó interestelar.Embora uma origem natural seja mais provável, atualmente não há consenso sobre o que essa origem poderia ter sido, e Breakthrough Listen está bem posicionado para explorar a possibilidade de que 'Oumuamua poderia ser um artefato”, escrevem os pesquisadores na página da entidade – veja o comunicado.

Início na quarta-feira

Conforme os cientistas, a campanha de observação com finalidade de escutar sinais artificiais de rádio emanados pelo singular objeto, começa dia 13 de dezembro às 15 horas. “Usando o telescópio do Banco Verde Robert C. Byrd, continuará observando Oumuamua em quatro bandas de rádio de 1 a 12 GHz. Sua primeira fase de observações durará um total de 10 horas, dividida em quatro ‘épocas’, com base no período de rotação do objeto”, comentam os membros.

De acordo com o pessoal do projeto Breakthrough Listen, que atua em conjunto com os cientistas do SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence), o surgimento do até então asteroide no nosso sistema solar facilitará a detecção de sinais artificiais - isso, se eles existirem.

"A presença de Oumuamua dentro do nosso sistema solar proporciona que Breakthrough ouça uma oportunidade para alcançar sensibilidades sem precedentes para possíveis transmissores artificiais e demonstrar a nossa capacidade de rastrear nas proximidades, objetos em movimento rápido.Se este objeto se revelar artificial ou natural, é um ótimo alvo para ouvir”, declara Andrew Siemion, PhD em Astrofísica e membro do SETI.

Tudo indica que além dos astronautas da ISS, há outros explorados no cosmos.