Na segunda-feira (18) uma Japonesa morreu congelada depois de ficar presa pelos pais [VIDEO]por mais de uma década, em um pequeno quartinho de casa. Segundo autopsia a japonesa estava com desnutrição extrema, e aos seus 33 anos, media 1,45 e pesava apenas 19 quilos.

Airi Kakimoto (33) era mantida em cárcere privado pelos pais em casa na cidade de Neygawa, província de Osaka, desde sua adolescência quando tinha entre 16 e 17 anos. O quarto onde a mulher vivia tinha apenas 3 metros de comprimento e foi construído improvisadamente pelo pai. O local ainda contava com duas portas, mas que só continham trancas do lado de fora, além de uma câmera de vigilância, um banheiro e um bebedouro improvisado.

Segundo informações passadas pelos pais, Kakimoto (55) e Yukari (53), eles prenderam a filha após a descoberta de um transtorno mental, que segundo eles deixava Airi extremamente agressiva. O casal ainda confessa que a japonesa era alimenta apenas uma vez ao dia.

A primeira análise constatou que a japonesa morreu [VIDEO]congelada no dia 18 de dezembro, segunda-feira, mas a policia só teve conhecimento do caso no último sábado (23). O casal foi preso inicialmente por abandono de cadáver, mas uma investigação foi aberta para descobertas de provas para que os pais possam responder por homicídio.

Grávida libertada após viver seis meses em cárcere privado

Uma adolescente de 16 anos foi libertada no dia 7 de maio de 2015 depois de viver durante seis meses em cárcere privado pelo seu namorado.

A jovem conseguiu pedir ajuda a mãe que logo procurou e informou Polícia Civil sobre o caso.

Segundo informações a jovem teria terminado seu relacionamento com o rapaz em novembro de 2014, ele não aceitou o término da relação e começou a perseguir a jovem, que reatou o relacionamento após uns dias. Foi no mesmo mês em que a adolescente fugiu de casa e parou de frequentar a escola. Segundo a delegada, a jovem ficava durante todo o dia dentro do prédio, junto com a sogra e seus sete filhos, entre eles o namorado da adolescente. Mesmo assim durante o pedido de ajuda enviado para mãe como mensagem de texto a adolescente ressalta que não quer incriminar nem o namorado nem a sogra.

A jovem estava grávida de oito meses quando foi libertada por uma operação policial, que resultou na prisão do namorado e da sogra. Segundo Marina Machado Dillenbug, delegada responsável pelo caso, o local onde a gestante vivia era um cortiço tinha baratas e ratos andando pela casa que abrigava dez pessoas.

O namorado e a sogra da jovem foram indiciados e presos por sequestro e cárcere privado.