2

Por mais que os líderes internacionais recomendassem o não reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fez o anúncio nesta quarta-feira [VIDEO](6) que reconhece Jerusalém como a capital de Israel. Logo que o anúncio foi feito, ele determinou que a embaixada americana fosse transferida para Jerusalém. Com esta medida, Trump rompe com o que foi tratado na convenção internacional, colocando em perigo o processo de paz no Oriente Médio, gerando instabilidade.

Segundo o presidente, Jerusalém não é apenas o coração das três grandes religiões, é o coração de uma das melhores democracias do Mundo.

Em seu discurso feito na Casa Branca, ele ressaltou que a nação de Israel é soberana e possui o pleno direito, como qualquer nação soberana, para determinar sua própria capital.

Em reconhecimento da cidade como capital de Israel, ele declarou Jerusalém é a capital de Israel. É um reconhecimento real, é o que precisa ser feito, segundo ele.

O presidente norte-americano afirmou que já são mais de 20 anos de acenos e até hoje não chegaram a um acordo verdadeiro e final de paz entre israelenses e palestinos. Afirmou que é tolice repetir as mesmas estratégias esperando resultados diferentes ou melhores.

Em sua decisão, Trump deixou claro que não pretende em hipótese alguma romper com o processo de paz permanente entre os israelenses e palestinos. "Desejamos um acordo que seja viável tanto para israelenses e palestinos.

Não podemos de forma alguma assumir posição de caráter definitivo acerca das fronteiras específicas de Israel na cidade de Jerusalém ou as disputas de fronteiras." Ele disse que isto diz respeito às partes envolvidas.

Ele reiterou o compromisso de que,o que estiver em suas mãos trabalhará em prol desse acordo. Segundo o presidente, os EUA apoiariam a solução da existência de dois Estados, sendo que o apoio precisa ser dos dois lados.

A ONU (Organização das Nações Unidas) estabeleceram que o status da cidade de Jerusalém [VIDEO]precisa ser decidido através das negociações entre Israel e Palestina. Os dois países possuem representações diplomáticas em Israel, tendo suas embaixadas em Tel Aviv e imediações.

Nenhum outro presidente havia tido coragem de tomar esta decisão. Uma lei foi aprovada nos EUA em 1995 [VIDEO] estabelecia a mudança da embaixada americana para Jerusalém. Presidentes como Bill Clinton, George W. Bush e Barack Obama sempre procrastinaram da decisão, alegando que tinham interesses nacionais maiores. Donald Trump afirmou que estava cumprindo a lei.