A terça-feira começou com um anúncio do metrô de Madrid de que a linha 9, que liga Artilleros a Príncipe de Vergara foi interrompida nos dois sentidos por um período de duração superior a quatro horas. Segundo o comunicado do metrô de Madrid, na Espanha [VIDEO], os serviços precisaram interrompidos devido à um incidente nas instalações do metrô.

A informação primária era de que a falha registrada acontecera entre as estações de Valdebernardo e a Avenida de América, mas logo em seguida o metrô de Madrid informou no Twitter que a seção do incidente foi na verdade entre Artilleros e Príncipe de Vergara. A demora para resolver os problemas causados em função do incidente nas instalações foi justificada pelo fato da quebra ser "bastante complexa" para reparar.

A falha, que foi localizada na catenária, aconteceu na estação Estrella, afetando seis paradas de metrô.

Segundo um representante da empresa, em virtude do incidente nas instalações do metrô, a EMT reforçou as linhas E3, E4 e ônibus número 30 para não prejudicar o deslocamento dos passageiros que foram afetados.

As linhas 5 e 10 também registraram problemas. O incidente ocorrido na linha 5 afeta as duas últimas estações no norte de sua rota - El Capricho e Alameda de Osuna - e por causa dos problemas com o sistema de sinalização, espera-se que tudo seja resolvidos em uma hora. Outro fato registrado foi em relação à linha suburbana 10, que precisou deixar seu serviço nas paradas entre Puerta del Sur e Cuatro Vientos. Segundo o controle do metrô de Madri, a intervenção se fez necessária para preservar a saúde dos usuários.

O serviço na linha 5 foi reestabelecido por volta das 10h46, após meia hora de paralisação.

Problema no metrô de Madri pode ter sido causado por falta de pessoal

De acordo com o Ministério do Transporte da Espanha [VIDEO], a seção foi cortada devido a um problema em uma máquina de manutenção, que teve um problema com o alinhamento de uma das rodas. Durante as horas de interrupção da linha, a frequência do serviço registrou aumento em duas linhas da EMT, 38 e 113, apresentada como transporte alternativo para os usuários.

O secretário do conselho de empresas, Teo Piñuelas (UGT), fez duras críticas aos responsáveis pelos serviços por causa do tempo levado para realizar os reparos. Segundo ele, é "preciso criar mais emprego agora", porque não há dúvidas de que o problema ocorrido hoje evidencia um adicional da falta de pessoal. Ele ainda afirmou que a Comunidade de Madrid precisa trabalhar na melhoria da frequência dos comboios e na contratação de mais pessoal.