Uma mulher de El Salvador, de 34 anos, foi condenada a uma sentença de 30 anos, por seu bebê ter nascido sem vida. A mulher recorreu da sentença, mas a Justiça do país acabou confirmando a pena anterior e esta jovem mulher, mãe de uma criança, vai continuar detida, na cadeia. Em causa neste estranho processo está que a justiça está julgando esse caso como um aborto, que é crime no país. No entanto, todos confirmam que essa mulher, que se chamaTeodora del Carmen Vásquez, teve a grande infelicidade de dar à luz um bebê [VIDEO]sem vida.

Consideraram aborto

As autoridades acusaram Teodora Vásquez de ter feito um aborto, um ato considerado um crime sob qualquer circunstância, mesmo quando é um caso de estupro, em El Salvador.

Foi em 2007 que ela foi condenada por homicídio agravado, após o parto de um filho morto.

Dez anos depois, ela conseguiu levar esse caso novamente a um juíz, na expetativa de lhe ser baixada a sentença. Na semana passada, ela compareceu perante um tribunal para lutar por sua liberdade, mas seu apelo foi rejeitado nesta quinta-feira, dia 14 de dezembro. Suas esperanças foram em vão e eles apenas mantiveram sua decisão, reforçando sempre que ela fez um aborto, por sua vontade, o que seria mentira. Seu bebê não sobreviveu, mas ela não fez nada para que isso acontecesse. [VIDEO]

Apoio insuficiente

Foram muitos os manifestantes que se juntaram na porta do tribunal, lutando por Teodora em um caso que eles consideram muito injusto. Assim que a sentença foi confirmada, foram vistas muitas pessoas em lágrimas, perante esse veredicto impensável.

Também a Amnistia Internacional da Noruega tem feito campanha em nome de Teodora Vásquez e já havia manifestado a sua preocupação por ela comparecer perante os mesmos juízes que a condenaram há dez anos. "É profundamente trágico e muito injusto", disse Ina Strom, porta-voz da Amnistia Internacional, após a decisão.

Como tudo aconteceu:

Teodora já era mãe de uma criança e estava grávida de nove meses, quando começou a sentir as dores do trabalho de parto. Ela ainda conseguiu ligar para os serviços de emergência, mas não deu tempo para muito mais. Ela sentiu sua bolsa estourar e foi para o banheiro, onde acabou desmaiando de dores, enquanto dava à luz sozinha. Quando a emergência chegou, perceberam que o bebê havia morrido no parto e a Polícia foi chamada no local.

E foi aí que tudo de pior começou a acontecer. Não bastou ela ter perdido seu bebê, como ela ainda foi detida e acusada de ter feito um aborto. Ela foi acusada de homicídio agravado e como não tinha dinheiro para pagar um bom advogado de defesa, ela não conseguiu provar sua inocência, e foi condenada a 30 anos de prisão. Ela já cumpriu dez anos dessa pena e durante esse tempo, seu filho Ángel, agora com 13 anos, não pode visitá-la.

Ela vai continuar na prisão para cumprir os 20 anos restantes da sentença.