Durante a manhã da última quarta-feira (6), médicos do hospital Chittaranjan Deva Sadan, em Kolkata (Índia), ficaram atônitos com o nascimento de um bebê, cujas peculiares características foram registradas somente em cinco recém-nascidos em todo o mundo.

De acordo com o jornal britânico Daily Mail, Muskura Bibi, 23 anos, gerou um filho com as pernas fundidas, semelhantes às observadas nas míticas criaturas dos mares. Pesquisadores destacam que a raríssima doença é chamada de Sirenomelia, ou simplesmente ‘síndrome da sereia’.

"Devido a falta de condição financeira e a precária instrução da mulher e do marido, ambos trabalhadores rurais, a mãe não fez a ultrassonografia - técnica que permite a visualização do feto – nem buscou acompanhamento profissional durante a gestação".

“Os pais são um casal trabalhista e não buscaram medicação adequada durante a gravidez por falta de dinheiro”, salienta Dr.

Sudip Saha, pediatra do hospital.

Considerado o segundo ‘bebê sereia’ da Índia, ele morreu [VIDEO] 4 horas após o nascimento. Em declaração à mídia internacional, o médico pondera sobre os motivos que podem ter acarretado a má formação congênita dos órgãos inferiores do recém-nascido.

“A falta de nutrição adequada e a circulação sanguínea imprópria podem criar esse tipo de anormalidade”, avalia.

Sudip Saha ainda demonstra assombro com a inusitada condição da criança, ao enfatizar que esse é o primeiro caso de ‘síndrome da sereia’ no estado. “O bebê teve formação normal na parte superior do corpo, mas abaixo da cintura suas pernas foram fundidas juntas. A parte inferior não foi completamente desenvolvida”, comenta.

Todos mortos

O primeiro ‘bebê sereia’ da Índia nasceu em 2016, no estado de Uttar Pradeash.

Ele viveu apenas 10 minutos. Em entrevista ao Daily Mail, Lindsey Fitzharris, historiadora médica, com doutorado na prestigiada Universidade de Oxford (Reino Unido), disse não haver sobreviventes entre os portadores dessa patologia.

“Não há relatos de pessoas com esta condição sobrevivendo. A maioria morreu nos dias que nasceram devido a insuficiência renal e da bexiga”, salienta.

Lindsey explana que a condição acontece quando o cordão umbilical não consegue gerar duas artérias. “Como resultado, há um suprimento de sangue insuficiente que atinge o feto. Sirenomelia é extremamente fatal”, alerta.

Devido a condição do bebê, médicos não conseguiram identificar o sexo do recém-nascido.