Na madrugada do dia 13 de janeiro, sábado, apesar de terem sido encontrados pedaços de tecido com cheiro de combustível perto do incêndio do Cristo do Pacífico, a Polícia Nacional afirmou que não houve vandalismo. A causa teria sido um curto-circuito em alguma parte da iluminação da estátua.

Localizada no distrito de Chorrillos, sul de Lima, Peru, a estrutura tinha sido doada de forma controversa, na calada da noite, pela empresa brasileira Odebrech, em 2011, em troca de isenções fiscais muito acima do valor da estrutura plástica.

Semana da visita do Papa

Não muito distante da Cruz do Papa (construída para a visita de João Paulo II ao local, em 1988), de 45 metros, o Cristo do Pacífico é iluminado todas as noites de verde e roxo.

A parte da frente da estrutura está às escuras depois do incêndio.

O Papa Francisco tem uma visita ao Peru agendada para segunda-feira, 15 de janeiro. Devido aos recentes protestos no Chile antecipando a chegada do Pontífice durante a mesma turnê, abrem-se especulações sobre possíveis ligações entre o incêndio e o ilustre visitante que não é visto como sagrado por muitos habitantes.

Doação questionável

Não houve nenhuma notificação por parte da construtora Odebrech, que fazia grandes obras na cidade, às autoridades de Lima. Houve apenas um acorda de isenção fiscal para a ‘obra adicional de embelezamento’. No entanto, muitas pessoas questionam o valor de quase um milhão de dólares por uma estátua de resina que imita cimento.

Além de ser muito dinheiro (deixado de ser coletado aos cofres públicos) por uma imitação de plástico do Cristo Redentor, a rapidez da entrega oficiosa revoltou principalmente as organizações por moradia para população carente do Peru.

Mais de 500.000 pessoas são esperadas para a missa do Papa

Primeiro Papa da América do Sul, Francisco é esperado na cidade com grandes preparativos para a sua chegada a capital do Chile, Santiago. Durante a visita do Papa ao país, protestos também são esperados por motivos que vão de direitos indígenas aos escândalos [VIDEO] sexuais que envolvem a Igreja Católica.

O Papa Francisco foi criticado por não passar em sua terra natal, a Argentina, durante sua viagem ao continente. O motivo alegado por muitos é que o Sumo Pontífice da Igreja de Roma não quer enfrentar os protestos em seu país de origem. Na agenda do Papa está a proteção da Amazônia, mas os peruanos estarão prestando muita atenção a qualquer menção à corrupção, tópico que Francisco frequentemente sai dos trilhos.

Outro fato que também antecede a visita do Papa ao Peru é o trauma que está o país, atingido por um terremoto [VIDEO] de magnitude 7,3 (na madrugada do dia que Francisco chega a Santiago). No balanço da Defesa Civil Nacional há um morto e 50 feridos pelo terremoto que arrasou a costa sul do Peru. Foi um dos maiores tremores já registrados no país.