A Polícia disse que encontrou as partes do corpo desmembrado e cozido dentro de uma panela de pressão em uma casa. Pertenciam a uma mulher que havia desaparecido há mais de uma semana. De acordo com informações do site Sky News, a mulher identificada como Magdalena Aguilar Romero, de 25 anos, desapareceu de sua casa, localizada na cidade de Taxco, em Guerrero, ao sudoeste da Cidade do México, em 13 de janeiro, depois que ela saiu para pegar seus filhos da casa de seu ex-marido. [VIDEO]

No entanto, a polícia disse que ela não foi mais vista novamente depois que ela saiu para a casa de seu ex-marido. Eles acreditavam que a mulher desaparecida foi assassinada e desmembrada na casa em que seus restos foram encontrados.

Segundo informações do porta-voz da polícia, Roberto Alvarez, confirmou a veracidade dos fatos e disse: "Presume-se que ela estava cozida [VIDEO]". Porém, para a polícia local o ex marido da vítima é o principal suspeito pela morte da ex-esposa e sua morte está sendo investigada como um caso de feminicídio. [VIDEO]

O feminicídio refere-se à morte de uma pessoa diretamente motivada pelo gênero. O suspeito de ter cometido o crime ainda não foi localizado e nem preso pela polícia. O caso contínua sendo investigado. Ao longo dos últimos anos, o feminicídio tornou-se uma questão de raiva no país latino-americano, uma estimativa de que sete mulheres foram vítimas de homicídios relacionados ao gênero no ano de 2016, de acordo com as Nações Unidas.

Embora existam várias leis para garantir que tais incidentes sejam evitados, a falta de aplicação da lei torna os assassinatos persistentes.

Ibrahim Zamora Salazar, ativista dos direitos das mulheres, disse que homens matam mulheres "porque acreditam que as mulheres são inúteis ou acreditam que suas vidas lhes pertencem", afirmou um relatório. Segundo relatórios, dos 52.210 assassinatos de mulheres que foram reportadas no país desde o ano de 1985, quase um terço deles ocorreu desde o ano de 2011.

Guerrero também registrou a segunda maior taxa de feminicídio por estado em 2016. Além de isso, Newsweek informou que entre os 25 maiores países do mundo, com a maior taxa de feminicídio, 14 países foram América Latina e Caribe. Ao longo dos anos, houve vários protestos no México, onde as pessoas marcharam para exortar o governo a tomar as medidas necessárias para prevenir o feminicídio.

Em setembro de 2017, milhares de pessoas protestaram após o assassinato de uma garota de 19 anos que foi encontrada morta depois que ela usou um pedido de aclamação de táxi. O motorista foi preso em relação ao caso e foi acusado de feminicídio.