Segundo o tribunal clerical da Igreja da Inglaterra encarregado do caso, durante um ano e meio, o reverendo Timothy Davis abusou sistematicamente de um garoto de apenas 16 anos de idade. Não foi abuso sexual [VIDEO] ou de outros tipos mais comuns. Foram “pressões inaceitáveis” durante as sessões bíblicas particulares que ocorriam no quarto do adolescente. Às vezes até de madrugada.

Apelando para sua autoridade, para passagens bíblicas e até mesmo ‘profecias reveladas’, o reverendo, conhecido como Tim Davis, dominava não apenas o menor de idade, mas também sua mãe.

Dominação e atitudes inapropriadas

Tim estava morando na casa do garoto (por motivos legais, o nome não foi revelado) enquanto fazia parte de um programa de integração com a juventude da diocese de Oxford, Inglaterra.

Há um guia legal indicando cada atividade do programa.

Apesar de terem tido contato físico deliberado, mas sem nenhuma ação sexual, segundo o painel julgador do caso, houve atitudes inapropriadas como, por exemplo, ‘brincar de confiança’ (deixar o corpo cair para trás, confiando que a outra pessoa vai segurar) ou estar sozinho com o adolescente sem a presença de outro adulto.

Namorada do adolescente seria ‘má e venenosa’

O vigário da igreja de Abingdon, Tim, chegou a não deixar seu pupilo ver a namorada, e tentava constantemente afastar o casal. Além de influenciar o garoto com passagens bíblicas que corroborassem sua visão em relação à namorada do menor, apontada como má e venenosa, o Padre ficava furioso quando o adolescente não respondia suas ligações e mensagens, dizendo que ‘amigos não fazem isso’.

Opressão dentro de casa

Durante as audiências, o menor afirmou ser “impossível” negar qualquer coisa para o sacerdote, mesmo quando havia algo que quisesse muito fazer, pois o seu então mentor dizia estar em uma missão divina, inspirado por deus, e que pessoas já morreram por não fazerem o que ele queria que fizessem.

Até a mãe do menor não ousava desafiar o padre, acreditando que seria o mesmo que desafiar deus. Na condenação, o tribunal afirmou que as evidências demonstram um alto grau de opressão que excede as atribuições de um ministro clerical. Foi ressaltado ainda que as responsabilidades de alguém na posição de Tim Davis inspiram uma confiança que não poderia ter sido traída, como as provas apresentaram.

Condenado, mas ainda sem sentença

A sentença ainda não foi decidida pelo painel julgador do caso, composto por juiz, doutor e reverendo. No entanto, Tim Davis foi formalmente afastado da diocese de Oxford desde 25 de julho de 2016. O caso aconteceu entre os anos de 2012 e 2013, foi julgado em 28 de dezembro de 2017 e só foi divulgado pela diocese na segunda-feira, dia 8 de janeiro de 2018.

Segundo pesquisas realizadas pela Universidade de Bournemouth, também no Reino Unido, a maioria dos cristãos já foram vítimas de algum tipo de abuso [VIDEO] espiritual cometido por líderes religiosos que dizem agir em nome de deus. No Brasil há o livro “Abuso espiritual: vítimas de líderes abusivos”, de Nery Duarte, sobre esse assunto tabu e pouco comentado nas igrejas.