A menstruação é algo que precisa ser celebrado e honrado, não escondido ou repudiado, acredita essa Mulher. Em consonância com o esforço desesperado do mundo para lutar contra os tabus que cercam o tema, ela se atreveu a fazer algo que até mesmo o mais forte dos defensores do feminismo pensaria duas vezes antes de fazer. Alguns dias atrás, Yazmina Jade, uma autoproclamada "bruxa de sangue" e curandeira de espíritos, que reside em Gold Coast, na Austrália, escolheu aplicar seu sangue menstrual no rosto como meio de conexão com o próprio corpo.

Ela até levou o assunto para as mídias sociais ao publicar fotos de seu rosto manchado de sangue menstrual. Jade passou a explicar como ficou desconfortável com seu período mensal durante a adolescência. "Foi exatamente isso que foi um pouco irritante e senti uma m***. Isso me fez comer muito mais e eu me afundei e me sentia gorda. Você poderia dizer que eu tinha um relacionamento insalubre com meu sangramento mensal e realmente não gostei de tê-lo.

Houve uma desconexão completa do meu útero e como eu sentia durante o sangramento", ela escreveu em um post.

A publicação de Jade faz que algumas pessoas percebessem como as mulheres em todo o mundo não são devidamente sensibilizadas sobre o processo menstrual e as formas de lidar com isso. "Eu não fazia ideia, sem orientação e acabei de fazer o que todos fizeram, mesmo que não se sinta bem ou natural”, revelou.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Saúde Mulher

Para Jade, a menstruação é “um ritual sagrado, para que as mulheres entrem em si, para deixar ir, para criar, para usar em manifestações poderosas e para honrar nosso poder materno e terra médica.”

“Fui atraída cada vez mais para me reconectar com meu corpo e especialmente o útero", disse a jovem. Mesmo que alguém possa parecer duvidoso sobre o valor sagrado do período feminino, o que ainda é válido é o conselho de Jade sobre como não é algo para se envergonhar.

"Nosso sangue mantém a mesma sabedoria, é algo para ser comemorado, honrado e adorado. Não, repudiado e desinfetado. Nós nos envergonhamos como mulheres por sangrar, os homens colocaram este tabu sobre nós para sangrar", acrescentou.

Jade também passou a fazer um chamado sincero às mulheres, pedindo-lhes que reivindicassem o "poder através da recuperação do que vem naturalmente para as mulheres". "É uma bênção, é poderoso, é um novo começo a cada mês.

É um abandono. É a conexão com algo maior. E não podemos parar essa ocorrência natural. Então, por que rejeitar e envergonhar-nos por isso?", questionou.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo