Já mostramos aqui neste portal de notícias diversos casos bárbaros envolvendo Crimes de pessoas para com animais. Alguns chegam a ser bizarros e fogem do entendimento humano. No Reino Unido, por exemplo, a polícia deteve uma mulher em uma prática para lá de estranha [VIDEO].

Segundo informações da própria polícia, a mulher foi identificada por Susy Cairns, de 39 anos. A informação é que ela estaria ligada a um grupo suspeito de práticas criminosas envolvendo pedofilia. Diante disso, a mulher acabou sendo notada pela equipe policial que investigava o caso. O registro ocorreu na cidade de Livingston, na Escócia, porém vem repercutindo em todo o mundo através das mídias digitais.

Detalhes de como tudo teria ocorrido têm ganhado milhares de comentários nas redes sociais.

Para a polícia, Susy Caruns tinha acesso a alguns materiais que envolviam crianças na web. O inusitado acabou chamando a atenção de milhares de pessoas que ficaram perplexas de como tudo seria possível. Detalhes na descoberta policial acabaram sendo ainda mais surpreendentes.

Polícia investiga mulher por pedofilia e descobre vídeos de sexo com animais

O ato foi considerado depravado e assombrou toda a sociedade. Os policiais reviraram os materiais que estavam no computador da acusada, quando descobriram os vídeos que comprovaram que a mesma tinha relações sexuais com um cachorro da família. O cachorro da raça labrador estava com a família desde nascido e era considerado um dos melhores amigos.

A polícia informou ainda que o ato com o animal teria ocorrido em março de 2017, porém somente nesta semana é que tudo veio à tona, sendo divulgado fortemente pela imprensa.

O julgamento da acusada deve ocorrer ainda neste mês de janeiro. Não foram divulgados mais detalhes sobre a investigação para que nada pudesse atrapalhar na mesma.

Dona de cachorro tinha desejo estranho e abusava sexualmente animal de estimação

Para que a prática sexual fosse praticada com o animal, a mulher utilizava de um creme, o qual tinha um efeito que atraia a atenção do animal para o seu corpo.

A mulher foi questionada sobre os atos com o animal e não negou sobre o que realmente fazia dentro da residência. Ela mesma foi quem confessou que gravava os momentos íntimos com o animal. Após a consumação do ato, a mulher salvava os vídeos no próprio computador para assisti-los em dias posteriores.

Além dos vídeos, centenas de fotos também foram encontradas dentro do quarto da acusada. A decisão final dos juízes deve ocorre no início de fevereiro. Internautas de todo o mundo pedem que a mesma possa pagar pelo ato cometido.