Um casal russo está sendo apresentado em tribunal em um caso inacreditável. Pai e mãe estão sendo acusados de estuprar a própria filha, uma menina de doze anos, durante vários meses. Em sua defesa, eles deram uma justificação inacreditável, que está deixando todos chocados, incluindo os juízes. Os dois vão enfrentar longas penas de prisão, enquanto que a menina já foi colocada, em segurança, em uma casa de acolhimento. As identidades dos agressores e da jovem vítima não estão sendo reveladas, para proteção legal da criança. [VIDEO]

Após os abusos sobre a criança serem revelados, a mãe disse à Polícia que foi melhor assim, por eles, que são os pais da menina, do que se fossem uma pessoa qualquer fazendo isso com a criança.

"Melhor nós do que alguns maníacos", disse a mulher, se justificando de uma forma inacreditável, quase como se ela não entendesse o quanto maníacos eles estavam sendo para cometer semelhante crime, tão indecente, contra uma criança. [VIDEO]

Ambos os elementos do casal têm 34 anos e vão ser acusados por pedofilia, após terem feito dessa menina, de 12 anos, uma escrava, forçada a realizar seus desejos mais íntimos e perversos. Entretanto, eles estão presos preventivamente, em Volgograd, na Rússia, mas se forem condenados, enfrentarão uma pena de até 20 anos de prisão.

A menina foi submetida a abusos horríveis e frequentes entre os meses de dezembro de 2016 e março de 2017, quando tudo foi descoberto, terminando assim essa série de abusos. No tribunal, foi revelado que o pai teria estuprado a menina todos os dias, na sua cama, e com a presença da esposa.

A mulher está sendo acusada de ter torturado a menina, com um órgão masculino artificial, com que ela abusava da criança, também com regularidade. A agressora havia contado que ela também havia sido estuprada, quando tinha 13 anos, justificando, dessa forma, os abusos sobre sua própria filha.

Na declaração mais chocante de todas, a mãe contou que eles estavam "treinando a menina com antecedência para a vida adulta".

Ainda antes do início do julgamento, já esses pais perderam a guarda dessa criança, sendo certo que eles jamais vão recuperar os direitos sobre ela. A menina está agora em uma casa de acolhimento, onde se acredita estar em segurança.

O caso só foi descoberto quando a criança foi a um médico, com problemas relativamente a sua menstruação. Os médicos descobriram que ela não era virgem e ela acabou revelando sobre os abusos que estava sofrendo.

Mais tardes, os pais acabaram confirmando tudo perante os policiais e disseram que acreditavam que "era melhor para a criança perder sua virgindade com seu próprio pai" do que de outra forma, com qualquer outra pessoa. Por essa convicção, a menina foi forçada a dormir na mesma cama que seus pais, onde foi submetida a vários abusos.