Sinistro e intrigante. Essas palavras definem exatamente a imagem captada pela câmera do empregado de um banco em Lima, capital do Peru [VIDEO]. Na ocasião, enquanto um funcionário do estabelecimento, que está apoiado no balcão, conversa de maneira despretensiosa com outra trabalhadora, o inesperado acontece.

O semblante de uma criança, aparentemente uma menina por volta dos dez anos, surge em rápido movimento até desaparecer sem causa aparente. Exibido em 22 de janeiro no Facebook da peruana Dayana Cari, o vídeo rapidamente atraiu milhares de espectadores e repercutiu em diversos jornais do Peru e na Inglaterra. Confira a gravação original, com 299 mil visualizações em apenas três dias.

Embora seja impossível afirmar a natureza sobrenatural [VIDEO] do acontecimento, interpretado pelos céticos como brincadeira e até mesmo golpe publicitário para atrair atenção de potenciais clientes, as testemunhas ressaltam a autenticidade do evento.

No filme, o sujeito responsável por gravar a conversa dos empregados, percebe a repentina manifestação infantil do além-túmulo. “Olhem, passou uma menina correndo”, diz para os colegas que, inicialmente pensam se tratar de pegadinha.

Ao caminhar em direção ao trajeto feito pelo alegado espírito, eles não encontram evidências da assombração. Peruanos conjecturam a chance de ela ser a ‘menina que chora’. Uma lenda local referente ao fantasma de uma criança atormentada.

No Facebook, usuários ficaram divididos quanto a originalidade do filme.

“Que medo Deus”, escreve Maria Josefina Clara.

“Não inventa. Já me traumatizei, não dormirei hoje”, diz assustada Yaretni HerGar.

“Sinceramente acho que é 100% fake”, opina Brenda Yupanqui.

“Parece falso”, acusa Junior Gianmarco Ocramnaig Roinuj.

Como sempre acontece em assuntos paranormais, a unanimidade não pertence ao contexto. Porém, não podemos ignorar o relato das testemunhas e acusá-las de mentirosas. Afinal, elas estavam lá, nós não.

Portanto, duvide, mas com moderação. Quem sabe, um dia você protagonize uma cena semelhante e mude de opinião. Ou, talvez, ninguém acredite em você, apesar das evidências que, em tempos de internet, são facilmente desclassificadas em decorrência da tecnologia voltada à falsificação de imagens.

Veja abaixo outros vídeos sobre o tema, publicados no Youtube. O caso segue assombrando a imaginação dos crentes e incentivando a velha retórica dos céticos.