De acordo com um estudo, cerca de 100 alemães morrem por ano durante a Masturbação. A mesma pesquisa revelou ainda as maneiras mais bizarras de como as pessoas morrem dessa forma tão íntima. São várias as formas estranhas de como as pessoas estão perdendo suas vidas, durante esse ato, mas o número é assustador.

Um homem com calças compridas, capa de chuva e traje de mergulho, bem como uma bolsa de plástico sobre a cabeça morreu em Hamburgo, depois de se sentar ao lado de um aquecedor, tentando derreter fatias de queijo em seu corpo. Sim, tão estranho quanto isso, mas tem muito mais por revelar. [VIDEO]

Uma outra pessoa, também homem, foi encontrada sem vida e com luzes de árvore de Natal espalhadas por seu corpo e enroladas em seus mamilos.

Supostamente, ele teria tentado se autoestimular, por eletrocussão, mas ocorreu, obviamente, algo errado e ele acabou morrendo eletrocutado.

O estudo foi feito pelo especialista forense Harald Voß, que revelou que a grande parte de mortes durante a masturbação acontece por privação do oxigênio. É essa a principal causa, resultando vários casos em estrangulamento.

Porém, de acordo com esse estudo, morrem entre 80 e 100 pessoas anualmente, devido a práticas mais arriscadas de masturbação. O estudo surgiu da necessidade de se explicar esse número de mortes bizarras, mas que não seriam mais do que "um ou dois casos" a cada milhão de habitantes, que morrem, quando tentam se estimular [VIDEO] de forma mais arriscada. Alguns casos acabam ocorrendo da pior maneira.

Em outro caso, um homem foi encontrado sem vida na garagem de casa.

Ele morreu por sufocamento, após ter colocado correias ao redor de seu corpo e pescoço. De acordo com o jornal alemão Bild, havia sinais presentes que levavam a crer que ele havia sofrido uma ‘’morte autoerótica’’ e foi isso que os investigadores acabaram declarando como causa de morte.

O especialista forense revelou que são, realmente, vários os casos idênticos a esse e fala mesmo em um "número extremamente alto", apesar de ele ter trabalhado somente em cinco episódios como esse, durante sua carreira que já leva 30 anos na área forense.

É importante ainda explicar que muitos casos não chegam a ser do conhecimento público, porque as famílias das vítimas se sentem envergonhadas e acabam escondendo essas causas de morte, como disse Harald.

Entre 1983 e 2003, em Hamburgo, foram registrados 40 casos de mortes autoeróticas, na sua maioria homens. Todas as vítimas tinham entre 13 e 80 anos. O especialista justificou que a maior parte são homens, uma vez que nestes casos as mulheres teriam mais cuidados e não arriscariam tanto. Harald deixa ainda o alerta sobre a perda de consciência nesses atos, que geralmente acontece mais rápido do que as pessoas possam imaginar.