Um motorista foi preso e está sendo acusado de tentar se juntar ao grupo terrorista Estado Islâmico (Isis, na sigla em inglês) para tentar assassinar a rainha Elizabeth, da Inglaterra. O homem foi identificado como Aweys Shikhey, de 38 anos.

Segundo relatos, o acusado também mencionou massacrar judeus em Stamford Hill, no Norte de Londres, e matar fãs de futebol com um AK47 quando deixaram o Estádio White Hart Lane , do Tottenham Hotspurs.

O homem com cidadania holandesa foi preso por policiais antiterroristas no Aeroporto Stansted, na Grande Londres, quando tentava embarcar em um voo para a Turquia em 23 de maio de 2017.

Shikhey trabalhava como um motorista de entrega em Londres. Ele está sendo julgado e negou envolvimento em uma ação de preparação para cometer atos terroristas no Old Bailey. Shikhey tem uma esposa somaliana e filhos que vivem na Holanda.

Segundo a Polícia inglesa, ele estava planejando viajar para se juntar aos extremistas depois de voar para Istambul.

O tribunal foi informado de que, depois de inúmeras tentativas, Shikhey conseguiu obter um empréstimo de 10 mil libras (45,6 mil reais) para um casamento apenas para enviar o dinheiro a um membro do grupo terrorista Estado Islâmico que vivia na Noruega.

De acordo com o promotor Barnaby Jameson, o acusado estava disposto a abandonar a família para se juntar ao Estado Islâmico.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

"O rosto que o réu apresentou ao mundo era diferente do seu rosto real. Ou seja, um terrorista se esconde à vista. O réu, você vai ouvir, foi um segredo e, de fato, ansioso por apoio do Estado islâmico. Tão ansioso que ele estava disposto a deixar sua vida, seu trabalho, seus parentes para se juntar ao Estado islâmico como um combatente de primeira linha", disse o promotor.

O júri foi informado de que Shikhey tinha contato com um homem somaliano no Quênia chamado Abdirahman Idris Hassanm, o que foi mostrado através de mensagens recuperadas pela polícia de seu laptop.

Ele supostamente falou com o acusado sobre viajar para a Síria e o Iraque com Hassan, dizendo "que Deus o conceda matar David Cameron e a velha Elizabeth", de acordo com a acusação.

A promotoria também disse que os homens precisavam conduzir um grande ataque terrorista na capital inglesa usando armas do tipo AK47, M16 ou BKM. Shikhey supostamente disse: "Elas poderiam ter sido levadas para Stamford Hill e usadas quando as pessoas saírem do jogo".

O promotor alegou que o "jogo" refere-se ao estádio do Tottenham, enquanto Shikhey alegadamente disse em referência a Stamford Hill: "Muitos judeus se reúnem por aí, é área no Reino Unido onde são maioria". O julgamento do suspeito continua.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo