O prestigiado jornal norte-americano “The New York Times” noticiou neste sábado (17) que o famoso opositor russo Alexei Navalny, forte crítico do presidente Vladimir Putin, recebeu financiamento de órgãos ligados ao governo dos EUA.

Em reportagem sobre a interferência da Rússia nas eleições dos EUA e, por sua vez, a influência de Washington em processos políticos por todo o mundo, o diário afirma que o Fundo Nacional para a Democracia (NED, na sigla em inglês), entidade financiada pelo governo dos EUA, “fez doações anos atrás para Alexei Navalny”.

A reportagem cita um arquivo do NED, onde consta que, em 2016, o órgão fez 108 doações para organizações russas a fim de “contratar ativistas” e “promover o engajamento cívico”. O montante total do financiamento chegou a 6,8 milhões de dólares. Suspeita-se que um dos destinatários tenha sido Navalny, uma vez que o fundo norte-americano não informou os nomes dos receptores.

Nos últimos anos uma estratégia do governo dos EUA é utilizar organizações financiadas por dinheiro público e ligadas politicamente à Casa Branca, ao Pentágono ou à Agência Central de Inteligência (CIA) para auxiliar membros da sociedade civil de outros países a implementarem “mudanças de regime” – derrocando governos não-alinhados por meio de campanhas desestabilizadores ou vencendo eleições.

Algumas dessas entidades estadunidenses com penetração ao redor do mundo são o próprio NED, o Instituto Nacional Democrata, o Instituto Republicano Internacional e a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID, na sigla em inglês).

Muitas entidades desse tipo são proibidas na Rússia, cujas leis são rigorosas contra a intromissão de agentes de potências estrangeiras em sua política interna.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

Outras interferências

O New York Times recorda ainda que, em 1996, os EUA temiam a derrota do então presidente Boris Yeltsin, um dos líderes políticos que ajudaram a acabar com a União Soviética, para a oposição, encabeçada pelo Partido Comunista russo. Então, Bill Clinton, presidente americano à época, pressionou o Fundo Monetário Internacional (FMI) a emprestar 10 bilhões de dólares e a enviar um grupo de conselheiros para o governo Yeltsin, apenas quatro meses antes das eleições.

Já sobre a suposta interferência russa nas eleições presidenciais de 2016 nos EUA, o renomado estudioso de assuntos de inteligência e antigo membro do Comitê do Senado para investigações sobre a CIA, Loch K. Johnson, disse ao jornal que Washington “tem feito esse tipo de coisa desde que a CIA foi criada em 1947”.

Arquivos desclassificados e investigações demonstraram que os EUA patrocinaram candidatos em diversos países do mundo e apoiaram golpes de Estado em muitos outros, especialmente na América Latina, Ásia e África.

“Eu presumo que eles estão usando várias táticas antigas, porque, você sabe, isso nunca muda”, disse ao Times o ex-funcionário da CIA, William J. Daugherty, que trabalhou na revisão de operações encobertas. “A tecnologia pode mudar, mas os objetivos não”, completou.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo