2

De acordo com informações da rede BBC e do Mail Online, um indivíduo suspeito de praticar caça ilegal foi atacado e morto por um grupo de leões em uma reserva natural situada na África do Sul. Conforme relatou o site africano Eyewitness News, o incidente aconteceu durante a noite – momento do dia em que estss animais [VIDEO] estão mais ativos – da última sexta-feira (9), na Reserva Natural Privada Ingwelala, situada perto da cidade de Hoedspruit.

Nessa área, a caça esportiva (realizada com o intuito de obter fundos para financiar a conservação da natureza) é permitida de modo bastante controlado. De início, as autoridades da província de Limpopo, que estão encarregadas de apurar a ocorrência, pensaram que a vítima seria um motorista de trator que estava desaparecido.

No entanto, o trabalhador foi posteriormente encontrado com vida. Após realização de uma investigação mais minuciosa, a polícia local encontrou um rifle e também munição, que estavam próximos daquilo que restou do corpo.

Grito foi ouvido durante o ataque

Segundo o Mail Online, um trabalhador (cujo nome não foi divulgado) de uma reserva natural que se encontra nas proximidades de Ingwelala afirmou que a área em torno da qual o incidente ocorreu é um território ocupado por leões. Ele ainda disse que um grito foi ouvido no momento do Ataque – ao que se seguiram sons de tiros, o que teria dispersado os animais em um primeiro momento. Mas, mesmo assim, o caçador acabou sendo emboscado pelos felinos com uma investida letal.

A testemunha constatou o estrago feito no corpo: "A cabeça ainda estava lá, mas os leões haviam comido a maior parte do resto".

A polícia de Limpopo já está trabalhando na identificação do homem morto – não portava qualquer tipo de documento –, e solicitou ajuda do Departamento de Assuntos Internos (Department of Home Affairs) da África do Sul para que esse processo possa ocorrer de modo mais rápido.

Crescimento da caça ilegal de leões

A rede BBC revelou que a caça ilegal de leões na província de Limpopo tem crescido nos últimos anos. A atividade acontece porque existe um mercado em que comumente são usadas as partes dos felinos na medicina – essa prática ocorre tanto na África quanto em outras partes do mundo.

De um modo especial, essa demanda tem crescido bastante no Sudeste Asiático, onde ossos de leão estão sendo cada vez mais usados em substituição aos de tigre – animal que corre sério risco de ser extinto.