Uma aluna da nona série diz que foi forçada a ter relações com três meninos diferentes, no banheiro do colégio que eles frequentavam. Um dos garotos é soropositivo e a menina, de 14 anos, que não revelou sua identidade, denunciou os Abusos sofridos. Ela disse que foi estuprada e forçada a fazer vários atos íntimos, enquanto estava no banheiro de um colégio de Miami, na Flórida. Depois que a menina relatou os incidentes, a Escola suspendeu os meninos e também a própria vítima.

A menina disse, em declarações, à WSVN que o primeiro garoto, um colega de sua escola, que também não tem seu nome revelado, a agarrou pelo suéter, e não a deixou sair do banheiro, violentando-a.

Depois desse episódio, começaram se espalhando notícias sobre o que aconteceu com ela e a adolescente começou sendo abordada por outros alunos do nono ano.

Na terceira vez [VIDEO]que ela foi abordada, ela disse que ocorreu após o horário escolar, quando era suposto ela ficar mais tempo, para fazer explicação de matemática. Um colega pediu-lhe que fosse com ele ao banheiro, e uma vez lá dentro, a menina disse que foi forçada a fazer o ato oral com os garotos que estavam lá. A garota disse que ela contou a um professor sobre os incidentes em outubro.

Porém, em resposta, o distrito escolar suspendeu os três meninos envolvidos no incidente, bem como a própria garota. A escola explicou mais tarde que suspendeu a garota, alegadamente, porque que os incidentes eram consensuais, uma vez que "ela não gritou ou fugiu" quando ocorreram os supostos abusos.

A mãe da menina disse ao repórter da WSVN que, apesar de a garota ter admitido que "estava sufocando e chorando" durante esses supostos abusos, a escola ainda considerou de consensual e acrescentou que ela não gritou nem fugiu. Naturalmente, a mãe aceitou muito mal essa decisão da escola, com a qual não consegue concordar, acreditando que sua filha foi vítima e não cúmplice.

A escola disse à WSVN que os administradores do distrito escolar, em conjunto com a Polícia das Escolas de Miami-Dade, estão investigando minuciosamente este caso e continua a ser uma investigação ativa. As informações sobre o caso foram fornecidas ao Ministério Público, bem como ao Departamento de Crianças e Famílias".

Após a denúncia da menina, a mãe disse que um investigador chegou em sua casa para dizer a ela que um dos três garotos que alegadamente a agrediu era soropositivo e que um outro tinha gonorréia.

Embora a garota tenha iniciado um regime de medicação, sua mãe disse que vai demorar um ano até que os médicos possam determinar se a adolescente contraiu ou não a AIDS do garoto que, alegadamente, a agrediu. "Ela tem apenas 14 anos", disse a mãe. "Como você explica para sua filha de 14 anos que ela vai ter algo para a qual ela não possa se curar?"

A menina disse que atualmente está recebendo terapia e que tem ataques que a deixam incapaz de dormir à noite.