Casos de violência são notícias todos os dias em meios de comunicações por todo o mundo. Na maioria das vezes as principais vítimas desse tipo de crimes são as crianças, mulheres e adolescentes. Em certos casos, os agressores são os próprios familiares da vítima, como no caso desse adolescente que foi torturado ate a morte por seu padrasto. [VIDEO]

O adolescente em questão foi forçado a viver em um canil antes de ser torturado, queimado e espancado até a morte, pelo padrasto. A vítima foi identificada pelas autoridades como Jeremiah Valencia, de 13 anos. Segundo informações, o rapaz era obrigado a viver em um pequeno canil de plástico e, como se não bastasse a tamanha crueldade com o garoto, o mesmo era forçado a usar fraldas adultas como punição, de acordo com os promotores que averiguam o caso.

Adolescente era obrigado a usar fraldas de adulto como castigo

Conforme relatos da Polícia, seu corpo foi encontrado enterrado em uma sepultura rasa próximo a uma estrada em janeiro deste ano. As últimas revelações do assassinato do adolescente sugerem que ele foi agredido sexualmente e forçado a viver em um canil de plástico como parte de sua tortura. O principal suspeito de ter cometido o crime foi identificado como Thomas Ferguson, de 42 anos, padrasto do adolescente. Exames feitos no corpo da vítima comprovam que o garoto foi vítima de violência sexual. [VIDEO] O corpo do adolescente apresentava vários ferimentos, além de ter sido encontrado usando uma fralda geriátrica.

Três pessoas estão sendo acusadas da morte do adolescente, incluindo a mãe do rapaz

O padrasto, e seu filho, Jordan Nuñez, de 19 anos, e a mãe do adolescente, Tracy Ann Peña, de 35, estão enfrentando acusações em relação à morte de Jeremiah, de acordo com o site mexicano Santa Fé.

O filho e o parceiro de Ferguson, juntamente com a irmã de 13 anos de Valência, acusaram-no de torturar repetidamente o adolescente e matá-lo até o final de novembro.

Padrasto está sendo acusado de homicídio e mais 17 outras acusações

Seu corpo foi descoberto depois que um condenado da prisão do condado de Santa Fe revelou que Peña confessou sobre a morte de seu filho. A mãe do menino mais tarde confessou aos investigadores que ela foi forçada a ajudar Ferguson a mover o corpo de seu filho, e afirmou não ter dito nada porque tinha medo dele [VIDEO]. Peña e Nuñez foram posteriormente acusadas de abuso infantil, resultando em morte, adulteração de provas e conspiração para provocar falsificação de provas. Na semana passada, um grande júri acusou Ferguson de homicídio e mais 17 outras acusações.