Uma criança contou ao pai que sofreu abuso sexual por um grupo de adolescentes, e o homem teve reação inesperada. O pai da criança passa um ferro quente nas partes íntimas do garoto após ouvir o relato. O caso aconteceu na da Arábia Saudita.

Depois de agredir o filho, o homem buscou ajuda de um psicólogo, informando ao profissional que tomou essa atitude com o propósito de punir a criança pelo abuso, segundo informações do portal do jornal britânico Metro.

O psicólogo Hussain Al Shamarani divulgou o caso em suas redes sociais no dia 3 passado para relatar como pessoas do seu país são tratadas quando sofrem abuso sexual [VIDEO].

O profissional informou que o homem foi até ele com a intenção de pedir conselhos, e que não fazia ideia que a atitude tomada já tinha causado outros danos à saúde mental da criança.

Hussain destacou a todo momento em sua publicação que o pai do garoto acreditava ter tomado a atitude correta, e que na cabeça dele a punição seria algo adequado naquele momento. O psicólogo disse que há muitos casos similares em que os parentes optam em punir a criança por ter sofrido o abuso, ou que não buscam a ajuda necessária para a vítima.

Muitas pessoas na internet ficaram horrorizadas com a atitude contada por Hussain, e deixaram sua indignação contra o pai. “Ignorância é uma catástrofe. Esse homem [VIDEO] sabe que ele não será punido por suas atitudes...”, manifestou um dos internautas.

Casos recentes de pais agressores

Uma mulher argentina aparece em um vídeo agredindo a filha de apenas 3 anos.

A atitude da mulher deixou os internautas chocados. Ela agrediu [VIDEO] a criança por causa de um tablet. Segundo um portal de noticias Los Andes, a avó da criança presenciou a agressão e resolveu denunciar a filha Belén Arzola, de 33 anos.

A acusada perdeu a guarda dos três filhos. A decisão foi tomada por ela não ter condições para cuidar e zelar do bem-estar das crianças, A argentina não poderá ver os filhos sem a presença da atual responsável pelas crianças, a avó.

Belén não está presa. Segundo o jornal Clarín, a ação que tramita judicialmente é confidencial para preservar a vítima. Por esse motivo, algumas informações não podem ser divulgadas para o público.

Não há informações se o caso do menino que foi agredido pelo pai por ter sofrido abuso sexual foi denunciado. Apesar da grande repercussão do caso pelo Mundo, muitos moradores do país em que ocorreu a atitude acreditam que seja algo "normal".