Três partidos da oposição confirmaram hoje (20) que participarão das eleições presidenciais do próximo dia 22 de abril na Venezuela.

São eles o Comitê de Organização Política Eleitoral Independente (Copei), Avançada Progressista (AP) e o Movimento ao Socialismo (MAS), todos opositores ao governo do presidente Nicolás Maduro.

Na coletiva de imprensa que anunciou o comparecimento de seu partido às eleições, o dirigente do Copei, Pedro Pablo Fernández, criticou a oposição radical que optou pela tentativa de derrubar o governo por meio de protestos violentos no ano passado.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Futebol

“Por alguma razão inexplicável abandonamos o caminho eleitoral”, disse Fernández, segundo o portal de notícias “Panorama”. Para ele, o melhor teria sido que a oposição concorresse nas eleições de 2017 para a Assembleia Nacional Constituinte e para governador, o que a maior parte dos opositores se negou a fazer.

Ele também criticou alguns opositores que decidiram novamente boicotar as eleições presidenciais, como é o caso dos partidos Primeiro Justiça (PJ) e Vontade Popular (VP), dois dos principais membros da coligação Mesa de Unidade Democrática (MUD).

Por sua vez, outro que convocou o boicote ao processo eleitoral foi o ex-prefeito de Caracas, Antonio Ledezma, em declarações à agência Reuters, na Suíça. Também pediu uma intervenção internacional na Venezuela, em entrevista à Agência France Presse, semelhante à que ocorreu no início deste século na Colômbia, quando os Estados Unidos enviaram militares e instalaram bases no país, supostamente para combater o narcotráfico.

“Nos abster é um caminho que não nos conduz a nenhuma parte”, ressaltou Fernández.

De acordo com a Agência Venezuelana de Notícias, na mesma coletiva compareceram membros opositores do MAS, Avançada Progressista, Bandeira Vermelha e Movimento Soluções.

Luis Romero, dirigente do MAS, e Segundo Meléndez, do AP, também anunciaram que suas organizações participarão das eleições presidenciais.

Além do Primeiro Justiça e do Vontade Popular, que decidiram não concorrer ao pleito, os outros dois principais membros da MUD, Ação Democrática e Um Novo Tempo, ainda não se expressaram a respeito de sua participação ou não no processo eleitoral da Venezuela [VIDEO].

Por outro lado, três candidatos independentes anunciaram que concorrerão à presidência. São eles Claudio Fermín (antigo membro da AD), o empresário Luis Alejandro Ratti e o pastor evangélico Javier Bertucci [VIDEO]. Eles ainda estão em busca de partidos políticos que suportem suas campanhas.