As forças do exército da síria chegaram hoje (20) à região de Afrin, no Nordeste do país, para combater o exército da Turquia, que invadiu a parte síria da fronteira há exatamente um mês.

A Agência Árabe Síria de Notícias (SANA, na sigla em inglês) noticia que as forças turcas iniciaram os ataques contra os militares sírios logo após a chegada das tropas árabes em Afrin, provenientes da região de Nubl, também no nordeste do país.

Segundo o correspondente da agência na zona conflituosa, a artilharia turca bombardeou locais [VIDEO] onde se encontravam as tropas sírias, bem como equipes de jornalistas que fazem cobertura no local.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Curiosidades

Hoje, mais cedo, foi divulgado um vídeo nas redes sociais mostrando o deslocamento de forças pró-governamentais da Síria em direção a Afrin. Ele foi veiculado também por meios de comunicação árabes, como a emissora iraniana HispanTV.

Ontem (19), os veículos de comunicação sírios já haviam informado do desembarque de tropas oficiais na região de Afrin, marcado para hoje.

As unidades militares foram enviadas para lá com a intenção de apoiar os moradores da região na luta contra o Estado Islâmico e o exército turco e um dos grupos que se aliou a ele, o Exército Sírio Livre, considerado uma organização terrorista pelo governo de Damasco.

Também chegaram à região após um acordo com os combatentes curdos que controlam o local. Eles são adversários do governo central do presidente Bashar al-Assad e aliados dos Estados Unidos, que mantêm bases militares no Norte da Síria, mas formaram uma aliança tática para expulsar os turcos de volta para o outro lado da fronteira.

A Turquia invadiu o Nordeste da Síria em 20 de janeiro [VIDEO], com a alegação de esmagar as forças curdas apoiadas pelos EUA, as quais são acusadas de terroristas por Ancara, que vê em seu possível domínio na região como um perigo para sua integridade territorial, uma vez que os curdos são uma minoria separatista na Turquia.

A operação turca oficialmente chamada de “Ramo de Oliveira” é totalmente condenada pelo governo sírio por violar a soberania do país. Segundo a agência de notícias oficial da Síria, a investida turca contra Afrin e aldeias próximas já deixou ao menos 175 civis mortos e 450 feridos, sendo muitas das vítimas mulheres e crianças. Além disso, conforme a mesma fonte, as tropas turcas já destruíram uma parte da infraestrutura da região e prejudicam o funcionamento do serviço público.